Pular para o conteúdo principal

Igualdade de gênero no Congresso deve ser alcançada só em 2080

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Dupla jornada de trabalho, falta de ambição política e de incentivo e ambientes partidários masculinos são alguns dos motivos que levam mulheres a não estarem no Congresso representando a população

As mulheres são um pouco mais da metade da população brasileira, mas estão longe de conseguir eleger representantes na mesma proporção. Somente 15% das cadeiras da Câmara dos Deputados são ocupadas por mulheres.

Para falar sobre essa realidade preocupante, convidamos a cientista política, pesquisadora e uma das fundadoras do projeto “Elas no Poder”, Letícia Medeiros, para participar do Crédito ou Débito – o podcast do Reconta Aí.

O Brasil tem uma lei determinando que 30% das candidaturas políticas precisam ser para mulheres. Além disso, 30% dos recursos de cada partido vindos do Fundo Eleitoral precisam ser destinados a campanhas de mulheres. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou ainda que o tempo destinado pelos partidos às mulheres – na propaganda gratuita no rádio e na TV – também seria de 30%.

De acordo com Letícia, existem grandes conquistas, mas a representação avança de forma muito lenta. “Se continuarmos nesse ritmo, só vamos alcançar a paridade no Congresso Nacional em 2080 e isso é muito tempo”, explica.

Vários motivos levam as mulheres a não entrarem para a política. Letícia destaca que, além da dupla jornada de trabalho, da falta de ambição política e incentivo à participação das mulheres nesse meio, os ambientes partidários são extremamente masculinos.

“É fundamental que as mulheres, entrando nos partidos, acessem esses espaços de decisões. Porque se você quer ser uma liderança política, um representante da população, a porta de entrada pra isso é o partido político”, alerta.

Acompanhe o bate-papo no podcast e dê sua opinião em nossas redes sociais.