Pular para o conteúdo principal

IBGE: Rendimento domiciliar per capita cai 6% em 2021

Imagem
Arquivo de Imagem
ibge

O rendimento médio mensal real domiciliar per capita em 2021 caiu 6,9% ante a comparação com o ano anterior. Em valores, o patamar médio nacional foi de R$ 1.353 - menor nível da série histórica da PNAD Contínua, iniciada em 2012.

Em 2020, o rendimento médio era de R$ 1.454.  Em 2012, era de R$ 1.417.

O percentual de pessoas com algum rendimento entre a população brasileira passou de 61,0% em 2020 para 59,8% no ano posterior, a mesma proporção de 2012, colocando 2021 no ponto mais baixo da série também por este critério.

A pesquisa revela também que, apesar do aumento da massa de pessoas ocupadas, o conjunto do rendimento diminuiu. Na passagem entre 2020 e 2021, a massa do rendimento mensal real de todos os trabalhos caiu 3,1%, indo de R$ 223,6 bilhões a R$ 216,7 bilhões.

Leia também:
- PL que muda cobrança do ICMS sobre combustíveis geraria queda de R$ 90 bi na arrecadação estadual
- Congresso: Oposição apresenta projetos contra "rol taxativo" para planos de saúde

“Esse resultado é explicado pela queda do rendimento médio do trabalho, que retraiu mesmo com o nível de ocupação começando a se recuperar, e também pela diminuição da renda das outras fontes, exceto as do aluguel”, aponta a analista da pesquisa Alessandra Scalioni.

A média nacional do rendimento médio mensal domiciliar per capita é marcada por grandes disparidades regionais, apesar da queda generalizada colocar a situação de 2021 pior do que em 2012 em todas localidades. As regiões Norte e Norte registraram um patamar que chega a quase metade da região Sul, que apresenta o melhor nível.

O rendimento médio mensal domiciliar per capita no Nordeste foi de R$ 843. No Norte, de R$ 871. Do outro lado, o Sul registrou o patamar de R$ 1.656. Próximo a este nível está a região Sudeste com R$ 1.645.

A região Centro-Oeste está em um patamar intermediário, com R$ 1.534.

No percentual de pessoas ocupadas, a situação se repete. Também houve queda em todas regiões entre 2020 e 2021, mas as desigualdades são similares, apenas havendo uma inversão nos últimos lugares: Sul (de 65,4% para 64,8%), Sudeste (63% para 61,7%), Centro-Oeste (61% para 59,8%), Nordeste (57,3% para 56,3%), Norte (54,6% para 53%).