Pular para o conteúdo principal

"Há um aumento significativo de bancários com sintomas ansiosos, depressivos", afirma especialista

Imagem
Arquivo de Imagem
Adoecimento dos bancários

De acordo com Fernanda Duarte, doutora em Psicologia Social, o ano de 2022 trouxe mudanças no perfil de adoecimento mental dos bancários. Se antes da pandemia a maior parte dos bancários que procurou a Clínica do Trabalho Bancário do Sindicato apresentava sintomas ansiosos, neste ano houve aumento da presença de quadros mistos, e a intensificação da melancolização no trabalho bancário.

Os dados apresentados pela Dr. Fernanda Duarte estão contidas no relatório anual da Clínica do Trabalho Bancário do Sindicato dos Bancários do DF e Entorno, e, segundo a especialista, são alarmantes. O assédio moral, por exemplo, é relatado por 92,3% dos bancários atendidos na Clínica, e é uma causa importante nas queixas de adoecimento da categoria.

Mulheres com alta escolaridade, funcionárias de bancos públicos

A maior parte dos bancários que procura a Clínica é composta por mulheres (69%), com alta escolaridade (87%), advindas de bancos públicos (69%). O medo da demissão e a instabilidade do cargo são apontadas pela psicóloga como causa da menor procura entre os trabalhadores dos bancos privados.

“O cenário, com as reformas trabalhista e da Previdência, as reestruturações e a própria pandemia, mudou a relação entre o trabalho bancário e a saúde mental. Há um aumento significativo de bancários com sintomas ansiosos, depressivos e quadros mistos de depressão e ansiedade. Precisamos focar nossos olhares no entrelaçamento entre o psíquico, o social e o político”, afirmou a psicóloga.

A pesquisa apresentada pela Dr. Fernanda Duarte confirma informações encontradas anteriormente. Em abril de 2021 um estudo realizado pela Associação de Gestores da Caixa no Rio de Janeiro (Agecef-Rio) e o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou que o adoecimento dos empregados da Caixa foi consequência da sobrecarga de trabalho e da cobrança de metas no contexto da pandemia. Mauro Salles, secretário de Saúde da Contraf-CUT, recentemente afirmou: “O adoecimento psíquico é o principal problema de saúde entre bancários, e temos que refletir sobre essa questão”.

A questão, provavelmente, estará presente na Conferência Nacional dos Bancários, que ocorrerá entre os dias 10 e 12 de junho, e também na Campanha Nacional dos Bancários de 2022.