Pular para o conteúdo principal

Fique atento! Bandeira tarifária de luz muda no mês de junho

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Distribuidora Enel já comunicou aos clientes que no mês de junho haverá mudança da bandeira tarifária, ou seja, aumento na conta na conta de luz.

Como o previsto, a conta de energia elétrica passará a ficar mais cara a partir de junho. De acordo com a distribuidora Enel, a mudança da bandeira tarifária para Vermelha - Patamar 2 trará a cobrança de R$ 0,06243 a cada kWh de energia consumido.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

A retomada do setor energético durante o governo Lula e Dilma

A crise do apagão ocorreu entre 2001 e 2002, quando Fernando Henrique Cardoso era presidente do Brasil. Após esse período, foram realizados investimentos em novas formas de produção de energia. Segundo Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe/UFRJ e professor emérito do Programa de Planejamento Energético da UFRJ, a partir de 2003 houve novas diretrizes para a política energética do País. Já no seu primeiro mandato, Lula interrompeu a privatização do setor e retomou o planejamento com a criação da Empresa de Pesquisa Energética.

Depois desse primeiro impulso, foi criado o Programa Luz para Todos, cuja inteção era a universalização da energia elétrica por todo o País, beneficiando principalmente os mais pobres, além da construção e contratação de termelétricas quanto de fontes renováveis de energia, como eólica e solar.

Dessa forma, ainda em 2010 o risco de apagão foi debelado por Lula e Dilma Rousseff, que à época era ministra de Minas e Energia. No referido ano, a Folha de S. Paulo anunciou que "Era Lula contratou 4 Itaipus em energia".

Como surgiu a sistema de bandeiras tarifárias

O sistema de bandeiras tarifárias surgiu em 2015 e foi instituído pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Esse sistema foi criado porque o custo da geração de energia elétrica pelas hidrelétricas é inferior ao das termelétricas. Contudo, as hidrelétricas necessitam de um regime de chuvas que mudou ao longo dos anos e, por isso, não sustenta mais a demanda do País.

Assim, quando é necessário realizar o acionamento das termelétricas, existe um acréscimo do preço da energia que é repassado aos consumidores.

Como funciona o sistema de bandeira tarifária

De acordo com a capacidade dos rios e reservatórios, as termelétricas são colocadas para funcionar, mesmo a um custo mais alto, para garantir energia tanto aos consumidores de baixa tensão - as residências, como de alta tensão - as indústrias.

Conforme a tabela da Aneel, as cobranças de tarifas por bandeira tarifária são:

Bandeira Verde - não há cobrança adicional
Bandeira Amarela - acréscimo de R$ 0,01343 para cada kWh consumido
Bandeira Vermelha Patamar I - acréscimo de R$ 0,04169 para cada kWh consumido
Bandeira Vermelha Patamar II - acréscimo de R$ 0,06243 para cada kWh consumido

As mudanças das bandeiras tarfárias podem variar mensalmente e, em períodos de seca ou estiagem, tendem a ser maiores.

Leia mais sobre energia no Reconta Aí.