Pular para o conteúdo principal

FGTS: Trabalhador terá que pagar juros se quiser sacar o seu dinheiro

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou que para antecipar o saque-aniversário do FGTS, o trabalhador vai pagar juros de 0,99% a.m.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.

Bem no estilo propaganda de empresa que faz empréstimos usando a frase “dinheiro rápido, fácil e sem burocracia”, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou novidades para o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O trabalhador poderá antecipar até três saques-aniversário do FGTS, totalizando um valor mínimo de R$ 2 mil. No entanto, o cidadão pagará juros de 0,99% ao mês pela antecipação do dinheiro.

Isso mesmo. O brasileiro terá que pagar juros para antecipar o saque de um dinheiro que é dele por direito.

O anúncio acontece no meio de uma pandemia. Momento em que as pessoas estão desempregadas e precisando de dinheiro para pagar as contas e colocar comida dentro de casa.

Leia também:
Saiu o calendário do Saque Emergencial do FGTS. Veja quando você irá receber
FGTS: Cuidado com sites e aplicativos falsos que só querem roubar seus dados

De acordo com a Caixa, a opção estará disponível a partir da próxima segunda-feira (27) para 6,1 milhões de brasileiros que já aderiram ao saque- aniversário e demais trabalhadores que tenham interesse na modalidade.

Dessa forma, além do valor que receberiam em 2020, o trabalhador poderá receber o valor correspondente ao dos próximos dois anos. Além disso, é possível optar por receber o dinheiro na conta do cidadão em qualquer instituição bancária brasileira.

Guimarães explicou que a contratação dessa linha de crédito será feita 100% de forma digital – pelo aplicativo do FGTS ou Internet Banking da Caixa. Além disso, a avaliação de risco é simplificada, sem consulta aos órgãos de proteção de crédito.

Sobre o FGTS

O FGTS foi criado para proteger o trabalhador demitido sem justa causa, mediante a abertura de uma conta com o seu nome e vinculada ao contrato de trabalho. Assim, todo mês o empregador deposita nesta conta o valor correspondente a 8% do salário do funcionário.

O valor que está na conta do FGTS pertence ao trabalhador e, em algumas situações, ele pode sacar esse dinheiro. Dentre as várias situações em que o cidadão pode retirar o dinheiro estão:

– Demissão sem justa causa
– Compra da casa própria
– Saque-aniversário
– Aposentadoria

Caso o dinheiro não seja retirado, ele continua na conta rendendo algo para o cidadão. Mas, em alguns anos, o FGTS rendeu menos que a poupança e outras aplicações financeiras. Algumas vezes, não chegou nem a cobrir a inflação do período.