Pular para o conteúdo principal

Famílias de baixa renda terão redução automática na conta de luz

Imagem
Arquivo de Imagem
Conta de Luz

Famílias de baixa renda inscritas em programas sociais do governo passarão a ser incluídas, automaticamente, como beneficiárias da Tarifa Social de Energia Elétrica. Com isso, mais de 11,5 milhões de famílias podem passar a receber o benefício, com descontos de até 65% na fatura mensal da conta de luz, somando-se aos 12,3 milhões de famílias de baixa renda que já usufruem da redução.

O protocolo que permite o cadastramento automático dessas famílias foi assinado nesta terça-feira (30) entre a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e o Ministério da Cidadania. O cadastramento automático de famílias na Tarifa Social de Energia Elétrica passará a valer a partir de janeiro de 2022.

Antes, era necessário que cada família beneficiária de programa requeresse individualmente o benefício.

LEIA TAMBÉM:
- PNAD: Informalidade representa mais da metade das ocupações geradas no terceiro trimestre
- Auxílio Emergencial: 625 mil pessoas vão receber SMS para devolver o pagamento

Com as novas regras, para que o cadastramento seja realizado automaticamente, será necessário que o CPF do titular da conta de luz seja o mesmo informado nas bases de dados do CadÚnico. Assim, é importante que a família verifique qual o nome que está na conta de luz e, se precisar, peça a alteração de titularidade à distribuidora.

No caso de cadastramento na Tarifa Social associado a portador de doença/deficiência com uso de aparelhos elétricos, será necessário apresentar à distribuidora o relatório e o atestado subscrito por profissional médico, que certifique a situação clínica e de saúde do morador.

Os critérios para receber o benefício não vão mudar: têm direito à Tarifa Social as famílias inscritas no Cadastro Único com renda mensal menor ou igual a meio salário-mínimo por pessoa, e também as famílias com portador de doença que precise de aparelho elétrico para o tratamento - nesse caso com renda mensal de até três salários-mínimos. Também têm direito as famílias com integrante que receba o Benefício de Prestação Continuada.

*Com informações da Agência Brasil e Aneel