Pular para o conteúdo principal

FAKE NEWS: Rita Serrano não denunciou Pedro Guimarães por assédio sexual

Imagem
Arquivo de Imagem
Rita Serrano

Está circulando pelo Facebook e também pelo WhatsApp uma mensagem que usa a foto da representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, e afirma que ela é uma das mulheres que denunciaram o ex-presidente do Banco Público, Pedro Guimarães, por assédio sexual.

A postagem não informa o nome de Serrano e ainda coloca em dúvida a veracidade das denúncias. Estão compartilhando uma FAKE NEWS! Rita Serrano não sofreu nenhum abuso sexual, mas cobrou da Caixa e das autoridades uma correta apuração dos casos relatados ao Ministério Público Federal do Distrito Federal.

A Agência Lupa, especialista em checar informações e averiguar fatos, já verificou as informações das postagens e afirmou que as informações compartilhadas são falsas.

As acusações de assédio sexual contra Guimarães vieram à tona na última terça-feira (28) quando o site Metrópoles divulgou os depoimentos de cinco empregadas da Caixa que relataram os momentos de assédio que viveram. Esses e outros casos estão sendo investigados pelo Ministério Público Federal.

LEIA TAMBÉM:
- Pedro Guimarães: Denúncias de assédio sexual detonam discurso de meritocracia do presidente da Caixa

Como representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Serrano foi entrevistada por vários veículos e contou que Guimarães sempre tentava intimidá-la. Como afirmou a Agência Lupa, em nenhuma entrevista Serrano relatou ter sofrido assédio sexual ou moral e também não acusou o ex-presidente da Caixa de cometer tais atos.

Serrano cobra apuração rigorosa, rápida e transparente dos fatos ocorridos com as empregadas da Caixa. "Estou propondo que seja selecionada e contratada empresa externa para proceder investigações no âmbito da Caixa, a fim de que o processo seja efetuado com isenção e transparência, sem influência de dirigentes da empresa", destacou Rita Serrano em seu site pessoal.

Pedro Guimarães pediu demissão da presidência do Banco Público na última quarta-feira (29).