Reconta Aí Explica Aí Auxílio emergencial: Qual a diferença entre cadastro “em análise”, “em avaliação” e “cancelado”?

Auxílio emergencial: Qual a diferença entre cadastro “em análise”, “em avaliação” e “cancelado”?

emergencial

Cadastro do auxílio emergencial passa por análise constante do Ministério da Cidadania. Entretanto, em muitos casos, o pagamento pode até ser cancelado.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.

Milhões de brasileiros estão sem entender o que está acontecendo com seus cadastros do auxílio emergencial. De uma hora para outra o pagamento não sai, o pedido entra em uma nova avaliação e muitas vezes o crédito dos R$ 600 é até cancelado.

São três as principais situações do cadastro que estão deixando as pessoas sem entender nada. Por isso, vamos explicar cada uma delas e como elas funcionam.

emergencial

Leia também:
INSS: Perícia médica presencial não tem data prevista para retornar
CUIDADO! Novo golpe pode roubar seu auxílio emergencial e FGTS
Auxílio emergencial: 4 parcelas de R$ 300 não são para todos. Saiba quantas você vai receber

Situação “em análise”

Os brasileiros que não estão no Cadastro Único e também não recebem o Bolsa Família precisam fazer um cadastro no aplicativo ou site do auxílio emergencial para receber os R$ 600.

Mas para ter direito ao pagamento, é preciso preencher vários pré-requisitos determinados por lei. Se o cidadão se enquadra em todos eles, é só preencher todas as informações solicitadas pelo aplicativo.

Ao fim do cadastro, o pedido irá para análise da Dataprev. É neste momento que o status da sua solicitação fica como “em análise”.

Existem também os casos em que, após avaliação da Dataprev, o auxílio é negado ao cidadão. Em muitas situações é possível realizar um novo cadastro ou até mesmo contestar o resultado. A partir daí, o cadastro volta para uma nova análise.

Situação “em avaliação”

Nós já explicamos aqui que estamos recebendo no WhatsApp do Reconta Aí muitos relatos de pessoas que após ter recebido a primeira parcela, viram o status do seu cadastro – no aplicativo ou site do auxílio – mudar para “em avaliação”.

O Reconta Aí questionou tanto a Dataprev quanto o Ministério da Cidadania para entender o que estava acontecendo. De acordo com o Ministério, parte das bases de dados utilizadas no cruzamento dos dados continuam recebendo atualizações.

Por isso, eles explicam que uma nova informação pode sinalizar possível divergência cadastral, automaticamente. Neste caso, a Pasta prioriza por uma reavaliação dos dados cadastrados pelos cidadãos.

Então, mesmo que o brasileiro tenha sido aprovado para receber o auxílio emergencial, os seus dados seguem em análise constante. Por isso o status “em avaliação”.

Após essa avaliação, o Ministério da Cidadania pode não encontrar nada que impeça o cidadão receber o auxílio e, com isso, liberar o pagamento. Mas também pode acontecer da Pasta encontrar divergências e alterar o valor do auxílio (passando de R$ 1,2 mil para R$ 600, por exemplo).

Neste momento em que o cadastro está “em avaliação” não é possível fazer nada. Somente aguardar o resultado, que pode ser acompanhado pelo aplicativo ou site do auxílio emergencial.

Situação “cancelado”

Existem muitos casos em que, após o cadastro ter passado pela situação “em análise”, o pagamento do auxílio emergencial foi cancelado. Por que isso acontece?

Como explicado pelo Ministério da Cidadania, a análise de dados feita por eles é constante. Nesse processo, caso a Pasta encontre alguma divergência no cadastro do cidadão que o impeça de receber os R$ 600, o pagamento será cancelado.

O cancelamento pode acontecer após a pessoa receber a primeira parcela ou, até mesmo, após receber a segunda parcela. Isso quer dizer que ela não receberá a parcela seguinte.

Mas para o cidadão que teve o auxílio emergencial cancelado e realmente se enquadra nos pré-requisitos, é possível procurar os canais de atendimento do Governo Federal para reclamar e tentar resolver a situação.

Os telefones são:
– 121
– 111
– 0800 726 0207

Entretanto, após tentar todos esses meios e não conseguir uma solução, é possível fazer uma denúncia na Ouvidoria do Governo Federal. Acesse aqui e veja o passo a passo.