Pular para o conteúdo principal

Exclusão digital limitou acesso ao auxílio emergencial

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

A exclusão digital afetou o acesso ao auxílio emergencial para as classes D e E, as que mais que mais necessitavam do benefício.

De acordo com estudo do Centro de Estudos de Microfinanças e Inclusão Financeira da Fundação Getulio Vargas (FGVcemif), a exclusão digital foi o maior gargalo para a população mais pobre do País obter o auxílio emergencial.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin 

Entre as barreiras encontradas pelos cidadãos das classes D e E, estão desde a dificuldade em lidar com celulares e computadores, até a falta de acesso à internet.

À Agência Bori, Lauro Gonzalez, coordenador do FGVcemif, apontou que um em cada quatro brasileiros ainda não utiliza a internet. Em números absolutos, isso representa 47 milhões de pessoas. A maioria pertence às classes D e E, as destinatárias do auxílio emergencial.

Conforme o estudo, 23% das pessoas das classes D e E tentaram solicitar o auxílio emergencial, mas não conseguiram. Os motivos elencados para isso foram a falta de acesso a um dispositivo digital - celular, computador - (20%), falta de acesso à internet (22%), dificuldade de baixar o aplicativo por inabilidade (18%) e não saber como utilizar o aplicativo (28%).

Quanto ganham as classes D e E

De acordo com a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que leva em conta a renda familiar, o limite de ganho para a classe E é de dois salários mínimos. Nesse sentido, pertencem a classe E todos aqueles cuja renda familiar de R$ 2.200.

Já a classe D compreende as famílias cuja renda varia de dois à quatro salários mínimos. Ou seja, de R$ 2.200 a R$ 4.400.

Essas foram as famílias cuja a renda foi mais comprometida durante a pandemia de Covid-19. Muitas delas, compostas por pessoas que faziam trabalho informal, ou que foram demitidas pelo setor de serviços, o mais prejudicado pelas regras de distanciamento social.

Com informações da Agência Bori.