Pular para o conteúdo principal

EUA e Reino Unido estudam planos mais ambiciosos que o brasileiro para renda básica na crise

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Com os impactos da disseminação do novo coronavírus causando cada vez mais incertezas no plano econômico, os Estados Unidos e o Reino Unido estudam implementar programas de renda básica universal. Os dois países, cujos governantes são vistos como exemplos pelo atual presidente brasileiro, debatem propostas mais avançadas que a anunciada por Paulo Guedes.

O governo brasileiro vem mudando ligeiramente sua postura em relação ao enfrentamento da crise, mas ainda é criticado pela timidez e volume das propostas, além do fato de que boa parte dos anúncios dizem respeito a verbas antecipadas ou remanejadas.

O ministro da Economia, no tema específico da renda básica, anunciou o gasto de R$ 15 bilhões para a iniciativa. Ao contrário de EUA e Reino Unido, apenas trabalhadores informais – que não recebam outros benefícios como Bolsa Família e BPC (Benefício de Prestação Continuada) serão beneficiários o que, segundo os cálculos da própria pasta, representarão R$ 200 para cada um, por três meses.

Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, o senador republicano Mitt Romney e o próprio presidente Donald Trump já sinalizaram para a possibilidade de uma renda universal de mil dólares. No Reino Unido, o primeiro-ministro Boris Johnson, do Partido Conservador, também aventa a ideia, sem detalhar valores por ora.

Um dos principais problemas é identificar quemintegra ou não o público-alvo da política brasileira. “Em um prazo curto, não épossível distinguir e identificar plenamente quem é o informal”, explica aeconomista Esther Dweck, professora da UFRJ.  

Tomando-se como base o Cadastro Único do Ministério da Cidadania, há 29 milhões de famílias listadas, 13 milhões já cobertas pelo Bolsa Família. De todos os cadastrados, 90% tem renda de até meio salário mínimo – aproximadamente R$ 522, mais do que o dobro do que prevê o Ministério da Economia.