Pular para o conteúdo principal

Estudo traça o perfil dos profissionais da Saúde no Brasil

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

No boletim Emprego em Pauta, Dieese faz um levantamento acerca das características socioeconômicas dos profisionais da Saúde no Brasil.

Os profissionais da Saúde no Brasil formam uma categoria bastante desigual se forem considerados médicos, enfermeiros e profissionais de enfermagem de nível técnico. Entre os médicos, grande parte é formada por homens, brancos e com rendimento médio de R$ 14.451. Já os profissionais de enfermagem de nível técnico são majoriamente mulheres, negras e com salário médio de R$ 2.420. Os dados fazem parte do "Emprego em Pauta", elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

O estudo do Dieese ainda traz dados importantes, entre eles, o nível de escolaridade dos profissionais de Saúde. No 4º trimestre de 2020, por exemplo, 49,1% dos trabalhadores nesse segmento possuíam ensino superior completo, diante de 24,5% em todas as atividades econômicas.

Fonte: PnadC/ Dieese

A pesquisa mostra que pela exigência de alta escolaridade, o número de jovens nessa área é menor. No período analisado, 17,9% dos proofissionais tinham menos de 30 anos; já no total das ocupações, o percentual atingiu 22,6%. Um ponto que merece destaque é a quantidade de médicos com 60 anos ou mais na ativa:enquanto em todas áreas o pecentual atinge 8,6%, entre os médicos a atuação de pessoas com 60 anos ou mais chega a 24,5%.

Mulheres são maioria entre os profissionais da Saúde

Entre técnicos em enfermagem e enfermeiras, as mulhes são maioria absoluta. Porém, a novidade é que hoje há quase tantas médicas quanto médicos, em uma proporção de 50,8% de médicos e 49,2% médicas. Em relação a técnicos e técnicas de enfermagem, a proporção é de 83,8% de mulheres e 16,2% de homens. Já acategoria de maior predominância feminina é a enfermagem com nível superior, com 86,3% de enfermeiras, contra apenas 13,7% enfermeiros.

Negros são maioria na área de Saúde; contudo, atuam principalmente como técnicos de enfermagem, atingindo 54,9% da categoria. Em contrapartida, brancos são maioria tanto na enfermagem de nível superior (61,5%) e na medicina (84,3%).

Salários

Os rendimentos dos profissionais de Saúde foram 1,6 vez mais do que a média dos trabalhadores brasileiros. A exceção fica por conta dos profissionais de enfermagem de nível médio, que ficaram abaixo da média nacional. Segundo a nota, essa fato é decorrente do número de profissionais de nível superior na área, 2 vezes maior do que a média do total de atividades.

Fonte: PnadC/ Dieese

A maior parte dos trabalhadores da área de Saúde possue carteira assinada no setor privado (40,7%). A segunda forma de contratação mais comum é no serviço público, sejam servidores estatutários ou militares (24,2%). Entretanto, os médicos são exceção à regra, com forte tendência a vínculos sem carteira assinada, tanto no setor público (10,8%), quanto no privado (18,1%), além de outras modalidades de contrato.

Leia mais sobre Saúde no Reconta Aí.