Pular para o conteúdo principal

Eleições 2022: TSE encaminha às redes sociais 1,5 mil posts com suspeita de desinformação

Imagem
Arquivo de Imagem
TSE envia às redes sociais mais de 1500 links de posts suspeitos de desinformação

Até agora, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entregou às plataformas e redes sociais mais de 1,5 mil postagens e links contendo indícios de desinformação eleitoral. Os dados foram obtidos pela Fiquem Sabendo - agência de dados especializada no acesso a informações públicas - por meio da Lei de Acesso à Informação.

O TSE recebe denúncias dessa natureza feitas por cidadãos e entidades por meio dos seus canais oficiais desde 2020 - mesmo ano em que o Tribunal lançou o Programa de Enfrentamento à Desinformação, que visava obter junto à sociedade as queixas sobre o tema e repassá-las às plataformas ou redes sociais onde estavam sendo veiculadas. Desde então, as publicações suspeitas de irregularidades são tratadas pelas plataformas segundo suas próprias políticas.

Conforme a análise da Fiquem Sabendo, o número de envios deste ano é quatro vezes superior ao registrado nas eleições passadas (2020). Bia Barbosa, integrante da Coalizão Direitos na Rede, aponta a relevância da iniciativa: "É muito importante que haja um canal de comunicação direto do TSE com as plataformas para a indicação de eventuais conteúdos que possam violar as políticas das plataformas sobre integridade eleitoral".

Entre as redes que receberam as notificações do TSE estão:

  • Facebook;
  • Twitter;
  • Youtube;
  • Instagram;
  • TikTok;
  • Telegram;
  • Veículos de comunicação variados

Já em relação aos emissores de desinformação, a planilha aponta que os mais denunciados são canais de candidatos, jornais e outros veículos de mídia, além de pessoas comuns. Chamam atenção pelo volume, as queixas contra os canais de Bolsonaro e Zé Trovão.

Leia também:
- Eleições 2022: enquetes e sondagens estão proibidas a partir de 15 de agosto
- Eleições 2022: Conheça o aplicativo para denúncias de irregularidades

Entrega de links feita pelo TSE vale apenas como "sugestão" de análise

A especialista explica a dinâmica da ação do Programa: "Fica muito claro que a decisão sobre manter esses conteúdos circulando ou não segue exclusivamente nas mãos das plataformas, que vão receber essas denúncias do TSE, analisar esse conteúdo e eventualmente moderá-lo em função das suas próprias políticas relacionadas às eleições no Brasil".

Esta é uma questão central em relação à entrega dos links feita pelo TSE, explica Bia Barbosa. "Isso mantém na mão de atores privados, sem critérios públicos e discutidos democraticamente com a sociedade, quais as informações devem ou não circular e quais tipos de informações são riscos ou não para a nossa democracia", finaliza.

Como denunciar postagens com desinformação ou fake news sobre as eleições ao TSE

Atualmente o TSE conta com o Sistema de Alerta de Desinformação Contra as Eleições. Por meio da página do programa, qualquer cidadão ou cidadã pode enviar ao órgão uma denúncia contra a violação de termos de uso de plataformas digitais em relação às eleições de 2022. Estão previstas queixas contra:

  • Disparos em massa;
  • Mentiras ou informações incorretas (intencionalmente ou não) sobre "dados relativos a horários, locais de votação e documentos exigidos";
  • Contas falsas vinculadas a órgaos públicos divulgando informações incorretas sobre as eleições;
  • Ameaças em locais e votação ou outros eventos relacionados às eleições;
  • Informações falsas sobre integridade das urnas eletrônicas, contagem de votos, ou outras fake news relacionadas ao sistema eleitoral;
  • Discurso de ódio e incitação à violência contra agentes públicos.

Como orienta o site do TSE, o canal não é o correto para infrações eleitorais, como propagandas ilícitas. Essas denúncias devem ser enviadas ao Sistema Pardal, também do tribunal. O sistema também não é o adequado para mensagens envolvendo desinformação contra candidatos e partidos políticos.