Pular para o conteúdo principal

Economistas seguem pessimistas com a economia brasileira

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Relatório Focus mostra que a previsão de crescimento da economia brasileira caiu de 2,20% para 2,17% em 2020

A previsão de crescimento da economia brasileira para 2020 está despencando, segundo economistas. O relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (2) pelo Banco Central (BC), mostra que a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 2,20% para 2,17% em 2020. Já para 2021, 2022 e 2023, as estimativas continuam em 2,50%.

Por quatro semanas, o relatório mostrou uma estimativa com sucessivas quedas do PIB para 2020. O levantamento foi feito com mais de 100 instituições financeiras.

Dólar

O boletim destaca ainda um aumento na taxa de câmbio. De acordo com os economistas, a cotação do dólar deve ficar em R$ 4,20 para o fim deste ano. Entretanto, para os próximos anos, o relatório aumentou a previsão. A taxa de câmbio deve fechar 2021 e 2022 em R$ 4,15, e 2023 em R$ 4,17.

Na manhã desta segunda-feira (2), o mercado abriu suas operações com o dólar comercial valendo R$ 4,49.

Selic

A taxa básica de juros, mais conhecida como Selic, é usada pelo governo para alcançar a meta de inflação. Com essa taxa mais baixa, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Na edição desta semana, os economistas do mercado financeiro mantiveram a previsão para a taxa Selic no fim de 2020 em 4,25% ao ano. Para 2021 a previsão teve queda, passando de 6% para 5,75%. Já para os anos de 2022 e 2023, a estimativa se mantém em 6,50%.

Inflação

De acordo com o relatório, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2020 caiu de 3,20% para 3,19%. Para 2021, a estimativa de inflação se mantém em 3,75%, enquanto para 2022 e 2023 fica em 3,50%.

A previsão fica abaixo do centro da meta de inflação, de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.