Pular para o conteúdo principal

Diplomação: Alexandre de Moraes fala em "ataques criminosos ao sistema eleitoral"

Imagem
Arquivo de Imagem
alexandre de moraes

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), fez referência por diversas vezes ao que tem chamado de "ataques criminosos ao sistema eleitoral". O discurso do magistrado na diplomação de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) foi repleto de sinalizações ao contexto político das eleições de 2022.

"A diplomação da chapa eleita consiste no reconhecimento da lisura do processo eleitoral e da legitimidade política. Ficou constatada a ausência de qualquer fraude. A Justiça Eleitoral se preparou para combater com eficácia os ataques ao Estado Democrático de Direito", disse.

Leia também:
- "Povo brasileiro é maior", diz Lula emocionado ao ser diplomado
- Alexandre de Moraes é ovacionado em diplomação do presidente Lula

Moraes exaltou a atuação do poder Judiciário durante o processo eleitoral e ressaltou que movimentos extremistas no mundo todo têm contestado resultados eleitorais independentemente do método utilizado em cada país: "O Brasil encerra mais um ciclo democrático. Estabilidade democrática e respeito ao Estado de Direito não significam ausência de turbulências. Significam observância fiel à Constituição".

A fala do presidente do TSE ainda teve momentos mais diretos. "Esses extremistas autoritários e criminosos não conhecem o Poder Judiciário brasileiro. O Poder Judiciário tem coragem, serenidade e altivez", declarou, para logo em seguida afirmar que grupos organizados anti-democráticos serão "inteiramente responsabilizados".

Cerimônia

Lula foi diplomado como candidato vitorioso na corrida eleitoral de 2022 para a Presidência da República nesta segunda-feira (12).

O documento foi assinado e entregue pelo ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na ocasião, Geraldo Alckmin (PSB) também foi diplomado como vice-presidente eleito.

Formalmente, a diplomação dos dois encerra o processo eleitoral presidencial de 2022. Os diplomas também habilitam do ponto de vista burocrático Lula e Alckmin a tomarem posse no dia 1º de janeiro de 2023.