Pular para o conteúdo principal

Dia da Visibilidade Trans debate condições de vida desta população

Imagem
Arquivo de Imagem
Dia da visibilidade trans

De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), 1,9% da população do Brasil é composta por pessoas transexuais. Para efeito de comparação, a Confederação Israelita do Brasil estima que apenas 0,06% da população brasileira faz parte da comunidade judaica; já o último Censo realizado em 2010 trazia a informação de que no País a população indígena correspondia a apenas 0,47% de toda a população brasileira.

Contudo, o que interessa não é a comparação entre populações e minorias, mas a vida que as pessoas que fazem parte desses grupos têm no Brasil. Por exemplo, um estudo realizado em 2021 por pesquisadores da Universidade de Maastricht, na cidade da Holanda, mostrou que a população transexual em 34 países é desproporcionalmente afetada pelo vírus HIV. Dentre todo o grupo, os pesquisadores auferiram que 19,9% dos indivíduos transfemininos eram portadores do vírus.

Do mesmo modo, o desemprego afeta a população transexual de maneira intensa. Há uma discriminação contra pessoas transexuais em relação ao acesso ao emprego e renda. No ano passado, a empresária Adriana Ferreira afirmou à CNN que um levantamento mostrava que na época, 20% da população trans estava desempregada e 56,82% sofriam com algum grau de insegurança alimentar

Transexuais e emprego

Observando essa discrepância, as centrais sindicais têm se mobilizado para debater o tema e atenuar os efeitos do preconceito. O dirigente da Executiva da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Adilson Barros, afirmou: "Pessoas trans e travestis podem e precisam ser inseridas no mercado de trabalho, com políticas públicas de capacitação".

Leia também
- "Nhaí, amapô! Não faça a loka e pague meu acué, deixe de equê se não eu puxo teu picumã!". Não entendeu? Conheça o Pajubá.

No mesmo sentido, prossegue: “Por mais que continuem invisíveis, diversas pessoas transgênero ocupam lugares de destaque na sociedade brasileira. No trabalho, cumprem suas funções, ocupam espaços na vida pública e na política, com representação nos parlamentos, programas de TV, enfim, é uma realidade que está posta e só não vê quem não quer”.

Com informações da CUT.

Há 18 anos, no dia 29 de janeiro de 2004, foi promovido um ato no Congresso Nacional, em Brasília, pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde com um grupo de mulheres e homens trans e travestis. Era o lançamento da campanha “Travesti e Respeito”. A data se tornou um marco contra a transfobia no Brasil e foi escolhida como o Dia da Visibilidade Trans.

“Por mais que continuem invisíveis, diversas pessoas transgênero ocupam lugares de destaque na sociedade brasileira. No trabalho, cumprem suas funções, ocupam espaços na vida pública e na política, com representação nos parlamentos, programas de TV, enfim, é uma realidade que está posta e só não vê quem não quer”, observou o dirigente da Executiva da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Adilson Barros.

Séries de TV, com atrizes e atores trans no elenco, como Orange is the new black, Sense 8, Psi, Euphoria e Verdades Secretas 2, na qual a atriz Gabrielle Gambine reclamou de transfobia durante as gravações, tratam abertamente de questões envolvendo pessoas transgênero. Além disso, nos últimos dias, a participação da Linn da Quebrada num reality show, tem conquistado grande atenção dos brasileiros para o tema.

“Essas iniciativas louváveis confirmam o crescimento do reconhecimento e das contratações. E isso é muito bom! É sinal do quanto se pode avançar nas políticas públicas e que as pessoas trans e travestis podem e precisam ser inseridas no mercado de trabalho, com políticas públicas de capacitação. Mas, também mostra que que elas estão aptas. Basta não discriminar”, completou.

>>>>> Ouça o Podcast da Contraf sobre o Dia da Visibilidade Trans

Para além das “telas”

Adilson lamenta, no entanto, que a maioria das pessoas transgênero ainda seja “invisibilizada”. “Infelizmente, ainda persiste o preconceito e a discriminação. Tirando quem tem destaque social, as demais pessoas transgênero têm dificuldade de conseguir emprego. As que conseguem, não ficam no atendimento ao público, não conseguem ascensão na carreira profissional e muitas delas continuam à margem da sociedade, sendo obrigadas a se prostituir para sobreviver. Sem falar dos inúmeros casos de violência a que estas pessoas são submetidas”, disse.

     >>>>> Pessoas trans: luta por espaço e inclusão no mercado de trabalho
     >>>>> 43% da população trans de SP sofre violência nas ruas e escolas, aponta mapeamento inédito

O dirigente da Contraf-CUT aponta estes fatos tendo como base sua atuação social, mas até mesmo nos dados demográficos esta população é meio que invisível. Não existem informações oficiais sobre a quantidade e nem como vivem as brasileiras e os brasileiros trans. As informações são levantadas por entidades que trabalham com este público, como a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), que estima que 1,9% da população nacional seja composta por trans.

Com relação à violência, o levantamento aponta que, de 2010 para 2020, o número de assassinatos de pessoas trans aumentou de 99 para 175, um aumento de 76,8%. Em 2021, segundo dados do Dossiê de Assassinatos e Violências Contra Travestis e Transexuais Brasileiras, da Antra, ocorreram, pelo menos 140 assassinatos de travestis e transexuais no Brasil no ano passado.

“As pessoas trans conseguiram ampliar seu espaço de atuação na sociedade, mas estes números nos trazem uma triste realidade que ainda precisa ser superada”, lamentou o dirigente da Contraf-CUT. “Por isso, temos que comemorar os espaços conquistados, mas sem nnos esquecermos de que a realidade ainda é triste, e muito violenta, para as pessoas trans”, concluiu.