Reconta Aí Atualiza Aí CPI da Covid: Uso de máscaras deve continuar, dizem Pasternak e Maierovitch

CPI da Covid: Uso de máscaras deve continuar, dizem Pasternak e Maierovitch

Os dois convidados desta sexta-feira (11) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado rechaçaram as falas de Jair Bolsonaro de que vacinados e aqueles que se curaram de covid-19 não precisarão mais usar máscaras.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

O sanitarista e ex-presidente da Anvisa, Claudio Maierovitch, alertou que ainda não se sabe com absoluta certeza qual o grau de proteção conferido pelos imunizantes para novas infecções. Sabe-se que há eficácia para evitar quadros graves e mortes, mas ainda há incertezas sobre a possibilidade de transmissão.

“Mesmo pessoas que foram vacinadas podem se infectar e ter a doença novamente. Temos poucas informações sobre novas infecções [após vacinação] sem sintomas. Provavelmente, a chance é maior”, disse.

Leia também:
CPI da Covid: Brasil foi o pior país no enfrentamento da pandemia, diz Maierovitch
CPI da Covid: Senadores têm aula sobre ciência com Natalia Pasternak e Claudio Maierovitch

“Enquanto não tivermos uma proporção muito grande da população vacinada, temos que continuar com esses cuidados, usando máscaras”, alertou ele.

Natalia Pasternak complementou, afirmando ainda outras condições para se relaxar à exigência dessas medidas.  “É essencial [o uso de máscaras] enquanto o número de casos e mortes estiver alto. Não só o percentual de vacinados, mas também essa curva [de casos]. Não precisamos de uma população confusa, precisamos de uma população esclarecida”, explicou.

A microbiologista ainda afirmou que “a eficácia [da vacina] varia de acordo com a taxa de transmissão comunitária”, utilizando para explicar a situação, uma metáfora futebolística.

“Um bom goleiro não é infalível. Se a defesa do time é uma droga – não usa máscara, não cumpre distanciamento – vai tanta bola pro gol, que a probabilidade dele falhar é maior”, disse.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial