Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: Tropa de Choque apresenta relatórios alternativos

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Integrantes da tropa de choque do governo na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado apresentam relatórios alternativos ao elaborado por Renan Calheiros (MDB-AL) nesta terça-feira (26).

Os senadores que apoiam Bolsonaro têm lido posicionamentos que contestam a colocação elaborada por Calheiros, insistindo em teses que sustentaram durante todo os trabalhos da Comissão. Um dos pontos, por exemplo, é de que a defesa da cloroquina e outros medicamentos que compõem o chamado "kit-covid" - ou tratamento precoce - faziam parte da autonomia médica.

LEIA TAMBÉM:
- CPI da Covid vota nesta terça-feira (26) relatório final dos trabalhos
- CPI da Covid: de nove crimes imputados a Bolsonaro, oito dependem de posição do Congresso

Os votos contrários - e a leitura de relatórios alternativos - têm função mais simbólica do que prática: após idas e vindas, Calheiros e senadores independentes e de oposição chegaram a um consenso em torno do texto final, o que garante maioria para aprovar a proposta do relator.

Eduardo Girão (Podemos-CE), Luiz Carlos Heinze (PP-RS) e Marcos Rogério (DEM-RO) apresentaram o chamado "voto em separado", ou seja, a apresentação de uma proposta alternativa de relatório. Na hipótese - remota - de que o relatório de Calheiros seja rejeitado, alguns dos votos em separado podem ser avaliados pelo conjunto da CPI.

Outra reclamação dos três que foi constante durante os trabalhos da CPI foi a de que o colegiado privilegiou investigar o Governo Federal em detrimento de governos estaduais e municipais. A maioria da Comissão entendeu, entretanto, que caberia a Câmaras de Vereadores e Assembleias Estaduais realizar esse trabalho.