Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: Senadores comparam Pazuello com oficial nazista e contradizem ex-ministro com vídeos

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-ES) comparou Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, com o oficial nazista Adolf Eichmann, um dos responsáveis pelo Holocausto.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

Vieira fez uma referência ao fato de que Eichmann, ao ser julgado, se defendeu afirmando ser apenas um burocrata que seguia ordens no regime nazista. O fato inspirou a filósofa Hannah Arendt construir o conceito de "banalidade do mal".

Leia também:
- Otto Alencar : “Não sabe nada da doença”, critica senador após fazer perguntas a Pazuello
- Quem é a Dra. Mayra, a ‘Capitã Cloroquina’ citada por Pazuello na CPI?

"Ele não apresentava características de um caráter doentio. Cumpria ordens sem refletir sobre o bem o mal que poderiam causar", disse Vieira em referência a Eichmann. "Essa parece ser a realidade. Tenho absoluta que convicção de que não falhou por convicção sua", complementou.

https://twitter.com/Sen_Alessandro/status/1395419436790714375

Um dos focos do depoimento do militar nesta quinta-feira (20) foi sua posição de que não seguiu ordens de Bolsonaro, sendo o responsável pela condução da Saúde em meio à pandemia.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) questionou então quem era o responsável pela política de contestar o uso de máscaras e o combate a medidas de governadores e prefeitos que determinavam critérios para o distanciamento social.

Carvalho também apresentou vídeo, da TV Brasil, que desmontou a versão de Pazuello de que o aplicativo TrateCov não havia sido lançado oficialmente.

O relator, Renan Calheiros (MDB-AL), pediu a contratação de uma agência de checagem, afirmando que já se constatou que, até aquele momento, Pazuello já havia mentido ao menos 14 vezes.