Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: questão do oxigênio em Manaus foi alertada em setembro de 2020

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Além de comprometer o depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, a sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado desta terça-feira (15), em que se ouviu o ex-secretário de Saúde do Amazonas Marcellus Campêlo, apontou uma série de omissões que levaram ao caos hospitalar a capital amazonense.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

Campêlo afirmou hoje que informou Pazuello da possibilidade da falta de oxigênio em 7 de janeiro. O general que ocupou o Ministério da Saúde disse à CPI que só recebeu a informação no dia 10.

O senador pelo Amazonas Eduardo Girão (MDB-AM), entretanto, mostrou documento da White Martins - empresa responsável pelo fornecimento do oxigênio - em que alertava estar operando com capacidade máxima já em setembro de 2020, e que o fornecimento poderia não ser suficiente já naquele momento.

Leia também:
- Covid-19: conflitos políticos dificultaram vacinação no Brasil, diz pesquisa
- Amazonas avisou Saúde sobre desabastecimento de oxigênio antes do reconhecido por Pazuello, diz ex-secretário na CPI da Covid

Girão questionou então se o governo estadual adquiriu usinas de processamento para ampliar a capacidade de fornecimento de oxigênio.

"Senador, esse pedido da White Martins, nessa época, não compramos nenhuma usina", respondeu Campêlo.

Durante o interrogatório, o senador Otto Alencar (PSD-BA) chegou a qualificar o ex-secretário como "incompetente". O parlamentar, como se tornou sua tradição, fez questões, por exemplo, sobre aspectos da pandemia e o número de leitos que seriam necessários.

"O senhor é engenheiro, não tem formação em saúde. O senhor não sabia nem fazer barreiras sanitárias. O senhor não conhece absolutamente nada. Foi a mesma irresponsabilidade que o presidente da República fez ao nomear um general para comandar o Ministério da Saúde sem saber o que é o SUS", afirmou o senador, logo após os questionamentos.

Campêlo ainda causou indignação entre os senadores ao afirmar que faltou oxigênio durante apenas dois dias em Manaus. Sobre isolamento social, afirmou que "o governador foi pressionado pela manifestação popular", e criticado por políticos como Arthur Virgílio (PSDB) - então prefeito de Manaus - por conta da tentativa de medidas restringindo o comércio.