Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: Queiroga volta e primeiro governador prestará depoimento nesta semana

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado terá uma semana com três depoimentos. No primeiro deles, na terça-feira (8), o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, volta para prestar seu segundo depoimento.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

Serão ouvidos ainda Élcio Franco, ex-secretário executivo do Ministério da Saúde e Wilson Lima (PSC), governador do Amazonas. Os depoimentos ocorrem na quarta-feira (10) e na quinta-feira (11), respectivamente.

Os senadores devem questionar Queiroga sobre três temas principais: a realização da Copa América no Brasil, a continuidade de aglomerações promovidas pelo presidente Jair Bolsonaro e as questões levantadas pelo relato da infectologista Luana Carvalho. A médica relatou ter tido seu nome vetado para ocupar um cargo no Ministério da Saúde - os senadores suspeitam que as posições contra a cloroquina tenham pesado contra ela.

Em relação à Copa América, parte da Comissão escreveu um posicionamento contrário à realização do evento no País.

Vacinas

Franco, braço-direito de Eduardo Pazuello quando este foi ministro, deve ser interrogado sobre a demora na aquisição de vacinas e, diante do avanço das investigações, sobre o funcionamento do chamado "gabinete paralelo", conjunto de pessoas que orientou informalmente o presidente Bolsonaro durante a pandemia. O grupo, suspeita-se, defendeu a imunidade de rebanho, a utilização de medicamentos sem eficácia comprovada e apresentou resistências à vacinação.

O nome de Wilson Lima é o primeiro a colocar a investigação também no rumo das gestões estaduais e municipais, caminho defendido como prioritário pelos senadores que apoiam o Palácio do Planalto.

A presença de Lima tem um aspecto especial, já que sob seu governo o estado do Amazonas passou por momentos caóticos em meio à pandemia. A CPI, por outro lado, já levantou diversos pontos sobre a incapacidade e inação do Governo Federal frente à crise vivida pelo estado como, por exemplo, nas dificuldades e omissões no fornecimento de oxigênio.

Deste ponto de vista, ainda que seja alvo dos governistas, Lima pode fornecer outros elementos que possam comprometer o Planalto.