Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: 'CEO da Davati' recebeu auxílio emergencial

Imagem
Arquivo de Imagem
CPI Covid 4

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado ouve nesta quinta-feira (15) Cristiano Alberto Carvalho, representante da Davati Medical Supply, empresa que teria oferecido 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca para o Ministério da Saúde. Os senadores questionaram o fato dele ter recebido auxílio emergencial no ano de 2020.

Apresentado como CEO da Davati pelo cabo Dominguetti, Carvalho recebeu auxílio emergencial durante o ano passado. A Davati fez uma proposta que englobaria um contrato equivalente a R$ 30 bi. O consórcio Universidade de Oxford/AstraZeneca nega que utilize empresas intermediárias para realizar vendas a governos.

Veja também:
- CPI da Covid: Omar Aziz determina prisão de Roberto Dias por mentir
- CPI da Covid: Depoimento de Roberto Dias não esclarece seu papel na compra de vacinas
- CPI da Covid: Dominguetti gera mais dúvidas sobre propina em negociação de vacina

"Tenho experiência em vendas há vinte e cinco anos. A gente teve bastante queda de rendimentos na pandemia. Uma colega me inscreveu no auxílio emergencial. Até entrei em contato para fazer a devolução dos valores", afirmou Carvalho à CPI.

Carvalho afirmou que não tinha contrato formal com a Davati, "apenas uma carta de representação em inglês". "Sou consultor e atuei na Davati como vendedor", relatou.

O depoente apresentou mensagens que indicam que o ex-servidor da Saúde Roberto Dias - acusado por Dominguetti de ter cobrado propina de um dólar por dose - o procurou "de forma insistente" para tratar da oferta de doses.

Dias, que foi preso em flagrante quando depôs à CPI, afirmou aos senadores que não deu prosseguimento às conversas com a Davati.