Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: "Cada declaração no Brasil repercute na China", defende Dimas Covas

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

O diretor do Instituto Butantan afirmou que as rusgas do Governo Federal com a China afetaram o envio de insumos para o Brasil. A declaração foi dada à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado nesta quinta-feira (27).

"A China hoje é o maior exportador de vacinas, 30% do que ela produziu foi exportado. Eu uso uma imagem: nós temos cem vizinhos, 99 são vizinhos cordiais, e um vizinho é o mau comportado. Na festa de fim de ano, você chama aquele vizinho ou os 99?", disse ele

As declarações do presidente Bolsonaro e seu entorno contra a China são temas constantes nas sessões da CPI.

"Cada declaração dada no Brasil repercute na imprensa da China. Obviamente isso se reflete nas dificuldades burocráticas", complementou Covas, afirmando que tais dificuldades eram resolvidas, antes destas tensões com o país asiático, em um período muito mais rápido.

Segundo o diretor do Butantan, entraves demoraram até 30 dias para serem resolvidos, quando antes dificuldades eram resolvidas em até metade do tempo.

Questionado se a postura de Bolsonaro fosse mais pragmática haveria menos dificuldades na recepção de insumos, Covas foi enfático. "Indiscutível".

Por conta destes fatores, as 54 milhões de doses da CoronaVac previstas até setembro deste ano podem atrasar, alertou Dimas Covas.