Pular para o conteúdo principal

CPI da Covid: Barra Torres precisa explicar por que houve “atraso e omissão”, diz Randolfe

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado ouve nesta terça-feira (11) o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. A expectativa é que ele fale sobre o processo de liberação de vacinas contra o coronavírus. A reunião está marcada para às 10h.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

A convocação de Barra Torres é resultado de quatro requerimentos apresentados à CPI. Um deles é do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI.

Leia também:
- Queiroga tenta blindar Bolsonaro em CPI da Covid
- CPI da Covid: Queiroga se nega a responder sobre cloroquina

Para Randolfe, Barra Torres precisa explicar por que houve “atraso e omissão” na compra de imunizantes. “Só foi possível chegar a essa situação catastrófica por conta dos inúmeros e sucessivos erros e omissões do governo no enfrentamento da pandemia da covid-19 no Brasil”, justifica o parlamentar.

Os outros requerimentos foram apresentados pelos senadores Angelo Coronel (PSD-BA), Eduardo Girão (Podemos-CE) e Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Pandemia.

Leia também:
- CPI da Covid aprova convocação de Ernesto Araújo e Fábio Wajgarten
- CPI da Covid: Teich volta a apontar cloroquina como causa para demissão
- CPI da Covid: Mandetta diz que Bolsonaro queria alterar bula da cloroquina

O senador Angelo Coronel questiona o fato de a Anvisa ter negado autorização à vacina Sputnik V, produzida pelo laboratório russo Gamaleya. “O processo que levou à não liberação pela Anvisa da Sputnik V foi envolto em polêmicas e supostas pressões de ambos os lados. Tal processo merece ser apreciado por esta CPI e por isso é imperiosa a convocação”, argumenta Coronel.

Ainda sobre vacinas, a presidente da Pfizer no Brasil, Marta Díez, será ouvida na quinta-feira (13) e a expectativa é que senadores questionem sobre o fato de o governo ter rejeitado ofertas de imunizantes ainda em 2020.

Com informações da Agência Brasil e Agência Senado