Pular para o conteúdo principal

Covid-19: Bancários pedem a volta do home office para evitar contaminação

Imagem
Arquivo de Imagem
covid19

Frente à nova onda de contágio de covid-19 que ocorre por causa da variante Ômicron, o Comando Nacional dos Bancários se reúne nesta terça-feira (18) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para pedir a volta do home office para os trabalhadores.

A situação é grave em todo o País. Na cidade de São Paulo, por exemplo, Cecília Ribeiro Fernandes, aposentada, teve que percorrer três agências bancárias até conseguir atendimento em uma delas. Conforme ela relata, as primeiras duas agências do Banco Bradesco tinham avisos na porta explicando que estavam fechadas por causa da contaminação dos funcionários.

No Distrito Federal, a situação não é diferente. O presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília, Kleytton Morais, apoia a volta dos bancários para o teletrabalho: "Diante da injustificada intransigência dos bancos, face a explosão de casos de covid e influenza em todos os setores bancários, seja nas sedes administrativas, onde o trabalho presencial é injustificado dado que vinha sendo realizado durante a pandemia sem prejuízo à produtividade, é fundamental uma revisão imediata nesse período", disse.

O sindicalista ainda analisa projeções futuras: "Além dos casos dentro das instituições, as autoridades de saúde apontam para uma explosão massiva de contágios em fevereiro, que vai sobrecarregar inclusive a rede de atendimento médico”.

LEIA TAMBÉM:
- Dia nacional de luta e paralisação dos servidoes públicos federais acontece hoje (18)
- Casos de covid aumentam nos locais de trabalho e agências bancárias fecham em São Paulo

A conversa do Comando dos Bancários ocorre em meio à explosão do contágios, mas também em meio ao fechamento de agências e postos de atendimento ao público. De acordo com matéria de novembro de 2021 do Correio Brasiliense, entre setembro de 2020 e o mesmo mês de 2021, quase 1,8 mil agências foram fechadas. Com isso, as agências abertas ficaram mais cheias, e os funcionários, sobrecarregados.

“As longas filas de espera na Cassi, na Saúde Caixa e Saúde BRB atestam a sensibilidade do momento e a urgência de tomar medidas para atenuar a curva de contaminação. É nesse sentido que o Comando Nacional se reunirá e a pauta que nós, direções dos sindicatos, teremos a apresentar é a imediata colocação das pessoas em home office e o aprimoramento e adoção de novos protocolos nas agências, tal qual ocorreu no início da pandemia, com horário de atendimentos reduzidos e direcionados apenas àquelas situações emergenciais, como pagamento de benefícios sociais e pendências urgentes que não poderiam ser resolvidas fora do ambiente da agência”, disse Kleytton Morais.

Com inormações do Sindicato dos Bancários de Brasília.