Pular para o conteúdo principal

Coronavírus: Mais de 1,5 milhão de brasileiros buscam o seguro-desemprego

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Março e abril tiveram quase 1,3 milhão de solicitações do seguro-desemprego. Cerca de 250 mil desempregados desses meses ainda devem realizar o pedido.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta aí no Facebook.
Adicione o Whatsapp do Reconta Aí para receber nossas informações.

Desde o início da quarentena adotada pelos governadores dos estados, o desemprego vem aumentando. Em março e abril de 2020 foram quase 1,3 milhão de pessoas demitidas, solicitando o seguro-desemprego.

O número chega a mais de 1,5 milhão se somarmos as 250 mil pessoas que perderam o emprego nesses dois meses e ainda devem solicitar o seguro, de acordo com o Ministério da Economia. Isso porque o cidadão tem um prazo de 120 dias para dar entrada no seguro-desemprego.

De janeiro a abril de 2020, o número de pedidos de seguro-desemprego soma 2,3 milhões – desconsiderando os 250 mil benefícios represados. Na comparação entre os pedidos registrados em abril de 2020 – que somam 748,4 mil – e o mesmo mês de 2019 – 612,9 mil – houve aumento de 22,1%.

Leia também:
– Seguro-desemprego: Saiba como solicitar o seu sem sair de casa
– Quem recebe seguro-desemprego pode pedir o auxílio emergencial?

A maior parte dos requerimentos de abril vem do setor de serviços (41,6%), seguido por comércio (27,7%), indústria (19,9%) e agropecuária (3,7%). Já os homens (57,1%) são a maioria dos trabalhadores que solicitaram o seguro-desemprego, enquanto a faixa etária com maior número de solicitantes é de 30 a 39 anos (33,1%).

Os estados que registraram o maior número de pedidos foram São Paulo (217.247), Minas Gerais (85.990) e Rio de Janeiro (58.945), de acordo com o Ministério.

Quem pode receber?

– Trabalhadores formais que foram demitidos sem justa causa e não possuem renda que seja suficiente para sua manutenção e de sua família
– Ter recebido salários de pessoa jurídica ou de pessoa física, relativos a:

  • pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da primeira solicitação; ou
  • pelo menos 9 meses nos últimos 12 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da segunda solicitação; ou
  • cada um dos 6 meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando das demais solicitações

– Não receber qualquer benefício da Previdência Social, excetuado o auxílio-acidente, auxílio suplementar e o abono de permanência em serviço.

Como solicitar o seguro-desemprego?

Neste período de pandemia do coronavírus, as agências vinculadas ou conveniadas ao Ministério da Economia estão fechadas. Dessa forma, resta ao brasileiro solicitar o seguro-desemprego usando os canais digitais oficiais.

Por telefone, é  discar 158. Já pelo celular, é possível solicitar pelo aplicativo Carteira de Trabalho Digital, disponível para Android (clicando aqui) e IOS (clicando aqui). O trabalhador também pode dar entrada no pedido pelo site do Ministério da Economia (clicando aqui).

Após a análise da solicitação, a informação sobre o pedido estará disponível pelo portal ou pelo aplicativo. Se aprovado, o trabalhador saberá quantas parcelas e quais valores do benefício terá direito. Entretanto, se o pedido for negado, será possível solicitar uma nova análise do cadastro.

O valor pago pode variar entre R$ 1.045 e R$ 1.813. Caso o trabalhador tenha direito ao seguro, terá o dinheiro disponível para saque a cada 30 dias.