Pular para o conteúdo principal

Confiança do consumidor piora em novembro

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

A retomada lenta da economia tem deixado o consumidor frustrado. O Indicador de Confiança do Consumidor marcou 47,2 pontos em novembro, abaixo do registrado em janeiro de 2019, que foi de 49,0 pontos. Os dados foram divulgados hoje (5) pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). 

O indicador de confiança do consumidor varia de zero a 100 e somente resultados acima de 50 pontos mostram uma percepção otimista do consumidor.

Em termos percentuais, apenas 9% dos consumidores consideram o momento da economia bom. Em contrapartida, seis em cada dez (66%) consumidores acham o cenário econômico ruim. As principais razões estão ligadas a uma percepção de alta dos preços dos produtos e serviços (66%), ao desemprego alto (65%) e às elevadas taxas de juros (30%). 

Imagem: Arquivo EBC

Em relação aos próximos seis meses, 27% dos consumidores estão otimistas com o futuro da economia. Por outro lado, 27% consideram-se pessimistas por terem a sensação de que os preços continuam subindo (49%) e o desemprego segue elevado (44%). 

A pesquisa também aponta que 42% discordam das medidas econômicas do governo. Há também os que se sentem receosos em relação às instabilidades políticas (32%) e os que acreditam que as leis e instituições não favorecem o desenvolvimento do país (26%). 

Conforme o levantamento, o que mais tem pesado na vida financeira das famílias é o alto custo de vida, em razão do elevado preço dos produtos e serviços (54%). O desemprego (17%) e o endividamento (14%) aparecem logo em seguida. 

Foram entrevistados 800 consumidores.