Pular para o conteúdo principal

Comitês Populares de Luta farão eventos de mobilização a cada mês

Imagem
Arquivo de Imagem
Comitês Populares de Luta

O primeiro mutirão de mobilização dos Comitês Populares de Luta - que aconteceu nos dias 24, 25 e 26 de junho em todo o Brasil - gerou um engajamento tão positivo, que a Secretaria Executiva dos Comitês resolveu repetir a experiência. A partir de agora, a cada último final de semana do mês, integrantes dos comitês se reunirão em mutirões para a troca de experiências e fortalecimento das mobilizações.

“O mutirão de mobilização é diverso e múltiplo. Há diversas formas de participação e isso é o que torna essa agenda interessante. Você pode reunir as pessoas na sua casa, fazer uma lista de visitas dos familiares ou mesmo organizar uma panfletagem na feira, em frente ao mercado”, explica Juvandia Moreira, presidenta da Contraf-CUT, sobre o funcionamento dos mutirões.

Leia também:
- Mesário: Convocação vai até o dia 3 de agosto
- De olho nas eleições? Governo antecipa pagamentos do Auxílio Brasil

As ações realizadas pelos participantes são realmente múltiplas e vão desde um abraço na Matriz da Caixa Econômica Federal em Brasília e a elaboração de estudos sobre o banco público, feita pelo Comitê Popular em Defesa da Caixa do Distrito Federal, até a arrecadação e distribuição de alimentos organizada pelo Comitê Popular de Luta 1º de Maio em Formosa (GO). Teve também a campanha pelo passe Vale Transporte Social, levada a cabo pelo Comitê Popular de Luta de São Paulo.

“As atividades de mobilização do mutirão vão servir de impulso para chegarmos mais afinados e mais preparados na largada eleitoral, no dia 16 de agosto. Por isso, é muito importante que todos os comitês, movimentos sociais e organizações que querem derrotar o bolsonarismo planejem atividades para dialogar com o povo”, aponta o coordenador Nacional do MST, João Paulo Rodrigues.

Comitês Populares contam com autogestão e solidariedade

Para planejar os mutirões, a secretaria do movimento orienta que os ativistas comecem as discussões por meios digitais, mais práticos. As perguntas orientadoras sugeridas são: O que o Comitê vai fazer? Onde? O que é preciso levar? Como divulgar a atividade?

O movimento orienta que a melhor forma de divulgação ainda é o boca-a-boca, mas com ajuda dos meios digitais. Ligar e mandar mensagens para os conhecidos, conversas com vizinhos e colegas de trabalho são medidas eficientes, segundo a organização.

Os comitês que conseguirem marcar eventos devem entrar em contato com a Secretaria Nacional para fortalecer a divulgação pelo 'zap' clicando aqui.