Pular para o conteúdo principal

Comissão do Senado convida Paulo Guedes e Adolfo Sachsida para falar sobre alta dos combustíveis

Imagem
Arquivo de Imagem
Petrobras

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta terça-feira (21) requerimentos para convidar os ministros Paulo Guedes (Economia) e Adolfo Sachsida (Minas e Energia) para prestarem esclarecimentos sobre a alta dos combustíveis perante o colegiado.

Os requerimentos originais foram apresentados como pedidos de convocação, mas após debates e negociações foram abrandados para convites.

A ida de Guedes foi pedida pelos senadores Alexandre Silveira (PSD-MG) e Paulo Paim (PT-RS). "A atual situação beira o caos. Não só em relação ao aumento dos combustíveis. Hoje, sabemos que a cesta básica custa 55% do salário mínimo", disse Silveira.

Já a presença de Sachsida foi proposta por Jean Paul Prates (PT-RN). "É o cumulo da confusão. Isso tudo pela negativa do governo de admitir que o problema do combustível é a paridade [de preços] de importação. Tentam culpar a tudo e a todos, em vez de ir ao cerne do problema", declarou.

Leia também:
- Presidente da Petrobras pede demissão
- Gasolina: Especialista afirma que custos da Petrobras não mudaram com guerra na Ucrânia

José Mauro Coelho, ex-presidente da Petrobras que renunciou, também será convidado. Até mesmo parlamentares governistas endossaram os pedidos, sob a condição de conversão para convite.

Os convites fazem parte de uma série de movimentações no Congresso em relação ao preço dos combustíveis, tanto da situação quanto da oposição. Sachsida esteve na Câmara dos Deputados também nesta terça-feira.

Aos deputados, afirmou ser impossível mudar a política de preços da Petrobras. "Não está no controle do governo. E, honestamente, preço é uma decisão da empresa, não do governo".

Formalmente, entretanto, não há nenhuma restrição legal para uma mudança. Além disso, é o governo o responsável pela indicação tanto do presidente como da maior parte dos conselheiros da Petrobras - a política de paridade foi adotada apenas em 2016.