Pular para o conteúdo principal

Comando Nacional dos Bancários antecipa campanha de 2022

Imagem
Arquivo de Imagem
bancários

O Comando Nacional dos Bancários decidiu antecipar o calendário de campanha da categoria em 2022. A decisão de iniciar as atividades antes das datas utilizadas em anos anteriores é decorrência de uma avaliação sobre aspectos da chamada reforma trabalhista iniciada no governo Michel Temer (MDB).

Com a antecipação, a Conferência Nacional dos Bancários será realizada entre os dias 3 e 5 de junho, devendo ser realizada de forma híbrida.

A decisão tem relação com o fim da ultratividade - princípio que garantia a continuidade provisória de acordos e convenções coletivos cujo prazo havia sido vencido mas que não eram substituídos a tempo.

Leia Mais

- Covid-19: Bancários pedem a volta do home office para evitar contaminação

- Contraf: Avanços são insuficientes nas negociações com os bancos

“Decidiu-se pela antecipação das atividades por que a reforma trabalhista, feita pelo governo Temer após o golpe de 2016, acabou com a ultratividade, e isso significa que se a categoria não renovar a convenção até o dia 30 de agosto, quando a atual perde a validade, poderá perder os direitos e os benefícios fundamentais já conquistados”, explica Juvandia Moreira, presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenadora do Comando Nacional.

Segundo Moreira, a mobilização da categoria será fundamental no ano de 2022, não só tendo em vista os direitos dos bancários, mas temas e questões que envolvem toda a sociedade: “Serão definidos os caminhos de mobilização da categoria, que deverá ser grande, pois este é um momento em que haverá a decisão se o Brasil continuará a ter empresas e bancos públicos, se a inflação será controlada, se o salário mínimo vai recuperar seu poder de compra, se o desemprego vai continuar alto e até mesmo se vamos continuar com um governo que ataca os direitos dos trabalhadores. É um momento de mobilização”.