Pular para o conteúdo principal

Colômbia: Pré-candidatos do Brasil têm reações diferentes à eleição de Petro

Imagem
Arquivo de Imagem
petro

A eleição de Gustavo Petro à presidência da Colômbia, junto à Francia Márquez - sua vice - gerou uma onda de felicitações não só aos candidatos vitoriosos, mas também ao povo colombiano. Contudo, a histórica ascensão da esquerda ao país que já chegou a ser o que mais assassina ativistas no mundo, não agradou a todos.

Enquanto Gabriel Boric, presidente do Chile; Luis Arce, da Bolívia; Alberto Fernández, da Argentina; Pedro Castillo, do Peru, entre outros presidentes latino-americanos e de todo o mundo, parabenizaram publicamente Petro e Francia. Já Bolsonaro, atual presidente do Brasil, não emitiu um comentário sequer.

Ao contrário, nas redes sociais dos filhos do presidente - do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e do vereador Carlos Bolsonaro - o tom foi de lamento ao espantalho ideológico da ameaça comunista.

Já entre outros pré-candidatos à presidência do Brasil, o tom foi mais amistoso. Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pré-candidato que ocupa o primeiro lugar disparado nas intenções de voto do Brasil, por exemplo, afirmou que a eleição de Petro fortalece a democracia:

Já Ciro Gomes (PDT), que ocupa o terceiro lugar nas intenções de voto à presidência da República, disse que se alegrou pela decisão do povo colombiano:

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) externou sua satisfação com a eleição de Petro na Colômbia dizendo que a vitória da esquerda é um alento às democracias latinoamericanas que se voltam contra o neoliberalismo:

Leia também:
- Lula: Um presidente tem que deixar o conforto de Brasília para conhecer os problemas do povo
- Mudança climática, revolução informacional e mudança de centro mundial são desafios para a política externa, afirma Pochmann