Pular para o conteúdo principal

Coalizão Energia Limpa é lançada durante a COP 27

Imagem
Arquivo de Imagem
cop 27

Um nova aliança em torno da energia limpa foi lançada hoje (16) durante a Brazil Climate Action Hub, na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-27).

A Coalizão Energia Limpa – transição justa e livre do gás - foi lançada, segundo o Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), com o objetivo de excluir o uso do gás natural como fonte de energia para a geração de eletricidade no Brasil até 2050.

"Infelizmente, o Brasil tem investido cada vez mais na formação de demanda e na ampliação da oferta de gás natural, especialmente, no setor elétrico. Apenas em 2021, a lei da privatização da Eletrobras (Lei nº 14.182/2021) incluiu a contratação compulsória de 8 GW provenientes de termelétricas a gás, a serem instaladas entre 2026 e 2030, em estados sem infraestrutura de gasodutos", explica o IEMA em nota.

A entidade ainda prossegue explicando que o Plano Decenal de Expansão de Energia 2030 (PDE 2030), divulgado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), prevê que produção de gás natural deve aumentar de 130 milhões para 276 milhões de m3/dia até 2030 no Brasil. Uma situação que contraria a transição energética limpa que poderá proporcionar um futuro para a humanidade em meio às mudanças climáticas.

"Em um momento de emergência climática global em que o Brasil poderia ampliar ainda mais o potencial de energias renováveis para acelerar a transição energética, o país opta por aumentar a instalação de termelétricas e sua infraestrutura ao invés de congelar tais investimentos", aponta a nota.

A Coalizão Energia Limpa – por uma transição energética socialmente justa e livre do gás - foi formada por um grupo brasileiro de organizações da sociedade civil comprometido com a defesa de uma transição energética socialmente justa e ambientalmente sustentável no Brasil, entre elas: IEMA, Instituto Internacional Arayara, Inesc, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), ClimaInfo e Instituto Pólis.

Leia também:
- "O Brasil está de volta para reatar os laços com o mundo", diz Lula na Cop27
- Desnazificação e desbolsonarização: é possível estabelecer um paralelo?