Pular para o conteúdo principal

Cidades estabelecem protocolos para realização do Carnaval

Imagem
Arquivo de Imagem
vai ter carnaval

Somente em 2020, o Carnaval da cidade de São Paulo movimentou cerca de R$ 3 bilhões, segundo a prefeitura do município. No Rio de Janeiro, em Salvador, Belo Horizonte e no Recife - cidades em que tradicionalmente a folia acontece - as cifras também são grandiosas.

Porém, desde que a covid-19 virou realidade no Brasil e o isolamento social se fez necessário, a maior festa popular do Brasil ficou interditada. Mas no final de 2021, com o sucesso da vacinação e o declínio da curva de óbitos pela doença, diversas prefeituras começaram a preparar as estruturas para que os tamborins voltassem a ressoar na avenida. Contudo, a inesperada chegada da variante ômicron, extremamente contagiosa, jogou água no chop dos foliões, dos trabalhadores da festa e dos municípios, que buscam recompor a arrecadação.

A fim de tornar possível a volta da tradicional festa popular de maneira segura, diversas prefeituras têm liberado parte do Carnaval adotando protocolos diversos. Confira!

LEIA TAMBÉM:
- Infectologista dá dicas de cuidados para se proteger da ômicron
- Vazamento de chaves Pix da Acesso merece atenção do usuário para evitar golpes

São Paulo

A prefeitura da capital paulista anunciou nesta sexta-feira (21) os novos protocolos sanitários para o desfile de escolas de samba no Sambódromo do Anhembi.

Conforme o documento, haverá a exigência de passaporte de vacinação tanto para o público quanto para os que forem desfilar. O uso de máscaras também será obrigatório para todos. Haverá ainda a redução do número de componentes por escola de samba e de público em todos os setores do sambódromo.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, a situação é mais incerta. Em um primeiro momento, os blocos de rua que cruzam a cidade inteira foram cancelados, mas os desfiles das escolas de samba estavam mantidos na Sapucaí. Apesar dos trabalhos seguirem frenéticos dentro dos barracões das escolas, há brigas nos bastidores que podem inclusive inviabilizar o desfile.

Festas fechadas, como o Baile do Copacabana Palace, também têm sido canceladas. Provavelmente a situação fique mais clara próximo a data.

Belo Horizonte

A liga das escolas de samba da capital mineira já divulgou que não haverá desfiles neste ano. A prefeitura da cidade afirmou que não patrocinará os blocos de rua e nem realizará investimentos de infraestrutura.

Recife e Olinda

Desde o dia 5 de janeiro, a prefeitura da cidade de Recife (PE) avisou a população sobre a suspensão do Carnaval de rua da cidade, no que foi acompanhada pela prefeitura de Olinda. Porém, se a vacinação avançar e a situação sanitária do País ficar controlada, prevê-se uma festa em outro período do ano, um carnaval fora de época.

Salvador

Ainda em dezembro de 2021, o governador Rui Costa (PT) afirmou: "Neste cenário é inviável a realização de uma festa de 3 milhões de habitantes". O governador prometeu chamar os envolvidos com o Carnaval para pensar alternativas de festejos que não gerem grandes aglomerações e tenham controle no acesso em janeiro. Porém, isso ainda não ocorreu.

Maceió

O prefeito da capital alagona, JHC (PSB), anunciou nas redes sociais no dia 5 de janeiro o cancelamento do Carnaval de Maceió. Segundo a publicação, a decisão foi baseada na consulta a especialistas frente a expansão da variante ômicron e também a gripe H2N3.

Brasília

Na capital federal, as comemorações públicas de Carnaval foram canceladas, porém não as particulares.