Pular para o conteúdo principal

Cesta básica em Porto Alegre é a mais cara do Brasil

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Valor da cesta básica no mês de maio teve aumento considerável em 14 das 17 capitais brasileiras analisadas pela pesquisa do Dieese

A Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgada nesta terça-feira (8) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), revela que a cesta básica de Porto Alegre foi a mais cara do País no mês de maio. Na capital gaúcha, o custo médio dos produtos básicos somou R$ 636,96.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

O Dieese analisou 17 capitais brasileiras. Em 14 delas, o custo médio da cesta básica no mês de maio ficou mais alto do que o valor de abril. Nos cinco meses do ano, as capitais com os principais aumentos foram: Curitiba
(12,68%), Natal (9,35%), Porto Alegre (3,46%), João Pessoa (3,46%) e Florianópolis (3,38%).

Quando o estudo compara o custo entre maio de 2020 e maio de 2021, Porto Alegre também se destaca e fica entre as três capitais com o maior aumento do preço do alimentos básicos (22,82%).

Leia também:
- Auxílio emergencial deve ser renovado por mais 2 ou 3 meses, diz Paulo Guedes
- Abono Salarial: Pagamento do calendário 2020/2021 termina dia 30 de junho

Cesta básica x salário mínimo

Com base na cesta de Porto Alegre - a mais cara do Brasil no mês de maio de 2021 - o Dieese estima que o salário mínimo necessário deveria ser equivalente a R$ 5.351,11. O valor corresponde a 4,86 vezes o piso nacional vigente, de R$ 1.100,00.

O cálculo para se chegar a esse montante leva em em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças.

Quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido - após o desconto referente à Previdência Social -, o trabalhador que ganha o piso nacional comprometeu cerca de 54,84% do seu salário com alimentos básicos. Esse percentual é para alimentar somente uma pessoa adulta.

cesta básica