Pular para o conteúdo principal

Centrais Sindicais se unem ao MST na campanha 'Natal sem Fome'

Imagem
Arquivo de Imagem
campanha solideriedade natal sem fome

Mais de 116 milhões de brasileiros viviam em algum grau de insegurança alimentar em 2020, segundo o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 (VIGISAN) lançado em dezembro do mesmo ano. O documento mostrou que deste contingente de brasileiros, 43,3 não tinham alimentos suficientes e 19 milhões passavam fome. Desde então, com a volta da inflação que ocasionou a carestia dos alimentos, a situação se agravou.

Frente à calamidade pública, um dos maiores movimentos sociais de luta pela terra do mundo - o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) - organizou novamente uma ação solidária de combate à fome. O “Natal Sem Fome: cultivando a solidariedade", ganhou adesão de outros movimentos sociais e agora, das Centrais Sindicais.

LEIA TAMBÉM:
- Casa da Moeda escapa dos planos de privatização do governo
- Viagens de Bolsonaro já custaram quase R$ 50 milhões aos cofres públicos

CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CSB, NCST, CSP-Conlutas, Intersindical Central da Classe Trabalhadora, Intersindical Instrumento de Luta da Classe Trabalhadora e Pública Central do Servidor se uniram à campanha com o objetivo de arrecadar fundos e alimentos. O montante será destinado para a montagem de cestas básicas a serem entregues "à população vulnerável, desempregada e em insegurança alimentar, um contingente que já ultrapassa 125 milhões de brasileiros e brasileiras", ressaltam em nota as entidades sindicais. Além das cestas, parte dos alimentos será preparada em cozinhas comunitárias e entregue em marmitas aos não têm moradia ou acesso ao gás de cozinha.

Segundo as Centrais Sindicais, o envolvimento na ação solidária não se trata de assistencialismo - "mas sim de ação solidária no momento em que falta comida e falta governo ao Brasil". As centrais ressaltam ainda que "além de negar a pandemia, incentivar o uso de tratamentos ineficazes, boicotar o isolamento e a vacina, o governo Bolsonaro, ao acabar com o Programa Bolsa Família e o Auxílio Emergencial, deixou 29,4 milhões de brasileiros pobres sem nenhum apoio".

E relembram que desde o início da pandemia, têm se posicionado publicamente contra a carestia e em favor ds trabalhadores, além de cederem suas estruras para campanhas de arrecadação de alimentos, materiais de limpeza e equipamentos como máscara e álcool em gel.