Pular para o conteúdo principal

Centrais se somam a protestos contra Bolsonaro no Dia da Consciência Negra

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

As centrais sindicais brasileiras se somarão aos protestos e atos no dia 20 de novembro, que marca o Dia da Consciência Negra. As entidades emitiram uma nota conjunta na última quarta-feira (17).

Com o o título "Dia da Consciência Negra é dia de luta contra Bolsonaro Racista", o documento das centrais lembra que a questão racial está intimamente ligada às condições de vida da classe trabalhadora.

LEIA TAMBÉM:
- Touro de Ouro: a cafonice da elite no Brasil da fome e da informalidade
- No dia internacional do estudante, Enem chega fragilizado e aparelhado pelo bolsonarismo

"O trabalho de negros e negras escravizados está na raiz da acumulação capitalista e oligárquica brasileira. A abolição da escravatura, tardia e inacabada, faz com que o racismo seja uma característica marcante da estrutura de classes e da sociedade brasileira até os dias de hoje. A população negra é maioria entre os desempregados e também entre aqueles nos postos de trabalho mais precários e informais", aponta o texto.

Para as organizações sindicais, as ações e omissões do Governo Federal geram uma situação que impacta "primeiramente e com mais intensidade, à população negra e pobre". "A ação, a inércia e as posições do presidente da República e de seus aliados reacionários e conversadores reforçam e apoiam a violência e a hostilidade que discriminam, agridem e matam corpos pretos todos os dias", continua a nota.

O documento finaliza qualificando o governo Bolsonaro como o "criminoso e racista": "A classe trabalhadora brasileira é negra e, por isso, o movimento sindical irá às ruas em todo o Brasil junto com a população negra e com todas as pessoas comprometidas com a defesa da igualdade racial, da vida, da democracia, contra o desemprego, a carestia e a fome", encerram as centrais.