Pular para o conteúdo principal

Casa Verde e Amarela é um programa fictício que não entregou nenhuma casa, revela Rodrigo Neves

Imagem
Arquivo de Imagem
transição

Durante coletiva de imprensa do Grupo de Trabalho de Cidades do Governo de Transição, nesta quarta-feira (7), o ex-prefeito de Niterói (RJ), Rodrigo Neves, disse que a era Bolsonaro representou um grande apagão Orçamentário e Fiscal no Brasil.

"Nós estamos vendo isso em todas as áreas da administração. Um colapso dos serviços públicos em todas as áreas, um apagão social com 100 milhões de brasileiros sofrendo alguma insegurança alimentar, e um apagão federativo e urbano", explicou Neves.

O integrante do GT de Cidades disse que o levantamento do Governo de Transição mostra que, em quatros anos, o governo Bolsonaro não entregou nenhuma casa popular para as famílias de baixa renda. "Lançou um programa fictício, chamado Casa Verde e Amarela, e não entregou nenhuma casa. É uma tragédia", completou.

O Orçamento de 2023 para investimento no desenvolvimento urbano é uma grande preocupação do GT de Cidades. Segundo Neves, Bolsonaro definiu que o Ministério das Cidades terá R$ 2 bilhões de orçamento no ano que vem. Um cenário completamente diferente dos governos Lula e Dilma. "[Eles] chegaram a investir R$ 52 bilhões no desenvolvimento urbano", disse o ex-prefeito de Niterói.

LEIA TAMBÉM:
Situação catastrófica: Orçamento de 2023 prevê R$ 500 para cada cidade do País prevenir desastres naturais
Governo de Transição: Relatório de GT de Combate à Fome mostra caos e possíveis crimes
Governo de Transição: "Quadro dramático", diz Mercadante sobre Educação

Neves contou ainda que o Governo de Transição recebeu a Frente Nacional de Prefeitos (FNP). "Pasmem, pela primeira vez eles tiveram uma reunião com a alta administração federal, porque nos quatro anos de governo Bolsonaro não houve qualquer tipo de diálogo federativo", revelou o integrante do GT de Cidades ao falar sobre a reunião da FNP com o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin.

Por fim, Neves ressaltou a importância do setor privado no esforço de reconstrução do Brasil e retomada do desenvolvimento urbano. "Ao conversar com o setor, eles refletiram a preocupação de que a habitação de interesse social caiu de 70% do conjunto das carteiras para 30%", disse. De acordo com Neves, esse cenários reforçando a falta de prioridade aos mais pobres.