Pular para o conteúdo principal

Carta de lideranças internacionais aponta "preocupação" com atos no 7 de Setembro

Imagem
Arquivo de Imagem
bandeira sete de setembro

Uma carta com diversas personalidades do mundo acadêmico e político internacional foi divulgada nesta segunda-feira (6) apontando preocupação com a convocação e realização de atos bolsonaristas no dia 7 de setembro.

Contando com ex-presidentes e parlamentares de mais de 26 países, a carta é enfática em manifestar o caráter potencialmente antidemocrático das manifestações.

"Estamos seriamente preocupados com a ameaça iminente às instituições democráticas do Brasil - e estamos vigilantes para defendê-las antes e depois de 7 de setembro. O povo brasileiro tem lutado por décadas para proteger a Democracia de um regime militar. Bolsonaro não deve ter permissão para roubá-la agora", diz o documento.

São signatários da carta, entre outros, o ex-primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodriguez Zapatero; o ex-presidente da Colômbia, Ernesto Samper; o ex-presidente do Paraguai, Fernando Lugo; o linguista norte-americano, Noam Chomsky; o filósofo e professor, Cornel West; e o vencedor do prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel. O documento visa sensibilizar a comunidade internacional sobre os acontecimentos no Brasil.

VEJA TAMBÉM:
- 7 de Setembro: a Dependência do Golpe
- Mais de 80 atos em defesa da democracia estão marcados para 7 de setembro

"Bolsonaro e seus aliados - incluindo grupos supremacistas, policiais militares e funcionários públicos, em todos os níveis do governo - estão preparando uma marcha nacional contra a Suprema Corte e o Congresso em 7 de setembro, alimentando temores de um golpe na terceira maior democracia do mundo", aponta outro trecho do documento.

O texto lembra que o atual presidente da República tem reiteradamente feito falas contra o sistema eleitoral brasileiro, além das constantes ameaças aos outros poderes da República: “Bolsonaro e seu governo tem ameaçado – diversas vezes – cancelar as eleições presidenciais de 2022 se o Congresso não aprovar seus reformas”.