Pular para o conteúdo principal

Carne bovina é vilã da cesta básica em São Paulo

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

O custo médio da cesta básica de alimentos aumentou em 15 capitais brasileiras entre março e abril de 2021. Em São Paulo, a grande vilã foi a carne bovina, com aumento de 5,65%.

Imagem: Agência Brasil

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

Os dados são da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em 17 capitais.

São Paulo registrou a segunda cesta básica mais cara do País, levando o cidadão a desembolsar R$ 632,61 para comprar os alimentos básicos.

De acordo com a pesquisa, a cesta básica para uma pessoa adulta em São Paulo consome 62,17% do salário mínimo líquido. Por isso, o Dieese estima que o salário mínimo necessário para uma família de quatro pessoas - com dois adultos e duas crianças - deveria ser R$ 5.330,69. Ou seja, 4,85 vezes o piso nacional vigente, que é de R$ 1.100.

Leia também:
- Mercado financeiro eleva estimativa da inflação para 5,06% em 2021
- Vacina chega aos transplantados no Brasil
- STF: Decisão sobre correção do FGTS terá efeitos em políticas públicas

Cesta básica pelo Brasil

A cesta mais cara foi encontrada em Florianópolis, por R$ 634,53. As cidades em que a cesta apresentou menor custo foram Aracaju (R$ 469,66) e Salvador (R$ 457,56).

As maiores altas nos preços da cesta básica foram registradas em Campo Grande (6,02%), João Pessoa (2,41%), Vitória (2,36%) e Recife (2,21%). No entanto, duas capitais apresentaram queda no preço das cestas. São elas: Belém (-1,92%) e Salvador (-0,81%).

No acumulado dos quatro meses de 2021, as capitais com as maiores altas foram Curitiba (8%), Natal (4,24%), Aracaju (3,64%), João Pessoa (3,13%) e Florianópolis (3,08%). A principal queda, no mesmo período, foi de 4,49%, em Salvador.