Pular para o conteúdo principal

Câmara aprova MP sobre "trabalho voluntário", considerada manobra por Centrais Sindicais

Imagem
Arquivo de Imagem
caixa

A Câmara dos Deputados deu o primeiro passo para a conversão da Medida Provisória (MP) 1.099 de 2022 em lei. A aprovação ocorreu na noite da quarta-feira (12). A proposta - batizada de Programa Nacional de Serviço Civil Voluntário - é amplamente criticada por entidades sindicais e por suas assessorias técnicas.

A MP, editada pelo governo federal no final de janeiro deste ano, cria um programa que prevê a oferta - através de prefeituras - de cursos de qualificação e vagas temporárias de trabalho para jovens e maiores de 50 anos. As vagas não terão qualquer espécie de direito trabalhista e terão como base de remuneração R$ 5,51 por hora.

O texto segue agora para a apreciação do Senado.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), por exemplo, lembra que a ideia de frentes de trabalho já foi aplicada no país em outros momentos de desemprego alto, mas critica o programa por conta da ausência de direitos e afirma que já há iniciativas municipais mais avançadas em escala municipal.

"O Programa Nacional de Prestação de Serviço Civil Voluntário não cria condições para solucionar as mazelas enfrentadas pelos trabalhadores", diz um documento do Departamento. Além disso, a entidade demonstra preocupação na distribuição e execução dos recursos, cuja fonte não é detalhada pela proposta, em um ano eleitoral, já que o texto "não define mecanismos de transparência e controle social que possam garantir a impessoalidade na administração pública em um ano eleitoral".

Já as centrais sindicais, no momento da edição da MP, falaram em "manobra" do governo.  "Através da MP o governo simula enfrentar o desemprego incentivando as contratações precarizadas e com baixa remuneração pelas prefeituras. Mais um golpe contra a classe trabalhadora", escreveram à época os presidentes das maiores entidades,

A criação de um programa de trabalho sem direitos trabalhistas - ou com a flexibilização deste - é um objetivo antigo do governo Bolsonaro. A primeira iniciativa neste sentido foi a chamada Carteira Verde Amarela, um contraponto à carteira azul regida pela CLT. Aquela primeira medida, entretanto, não foi aprovada pelo Congresso.