Pular para o conteúdo principal

Caixa: saiba mais sobre a greve nacional histórica pelas seis horas

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Em 30 de outubro de 1985, os bancários da Caixa fizeram uma greve e, com isso, conseguiram uma série de conquistas: jornada de seis horas e direito à sindicalização.

Certas greves entram para a história por conta da época e das conquistas que obtiveram. Esse é o caso da greve dos bancários da Caixa, em 1985. Foi por meio dela que os bancários conseguiram o direito à sindicalização e a jornada de seis horas, benefícios que existem até hoje.

Greve contou com mulheres e homens que trabalhavam na Caixa. Foto: Fenae

Foi a primeira greve nacional dos empregados da Caixa e a paralisação durou apenas 24 horas. Porém, a paralisação teve uma imensa adesão que envolveu quase 100% das agências do Banco Público mesmo durante a ditadura militar.

Essa paralisação no dia 30 de outubro não só garantiu os direitos citados anteriormente, mas também uniu os empregados da Caixa e fortaleceu associações e sindicatos. Assim, criou no pessoal do Banco um sentimento de que para transformar as coisas, a união é fundamental.

As conquistas da greve

A paralisação também garantiu aos empregados o status de “bancários”, que era negado a eles por serem do quadro de uma empresa pública.

Sérgio Takemoto, hoje presidente da Fenae, foi um dos participantes do movimento. “Sem dúvida a greve das seis horas é um marco para todos os trabalhadores da Caixa. Mostrou a força dos empregados.  Unidos, nós conseguimos avançar na conquista dos direitos e na defesa da Caixa 100% pública”.

Jair Ferreira, diretor de Formação da Fenae, também foi um grevista de 1985: “Esse período foi um divisor de águas que envolveu associações, federações, sindicatos”. Ele também relembra que essa história já foi contada por seus protagonistas: “Fizemos o livro Tijolo por Tijolo, para lembrar essa história para os jovens.  Precisamos falar sempre dessa história e fazer isso constantemente”.

Juntamente com o livro, há também uma produção cinematográfica que retrata o movimento. A diretora Maria Augusta Ramos filmou o documentário “Não toque em meu companheiro”, que retratou o pós-greve e as dificuldades que alguns dos grevistas sofreram.