Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro mente sobre questões ambientais na ONU, diz Observatório do Clima

Imagem
Arquivo de Imagem
bolsonaro onu2

Talvez pela última vez, Bolsonaro tenha subido ao púlpito da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas para proferir um discurso representando o Brasil na abertura do evento. E, se depender das organizações que defendem o Meio Ambiente, será a última.

Segundo Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima (OC), “A única instância internacional que deveria receber Jair Bolsonaro a partir de agora é o Tribunal de Haia, pela sua gestão criminosa da pandemia e pela incitação ao genocídio indígena”.

Leia também:
- Bolsonaro utiliza lema fascista em abertura da Assembleia da ONU
- Censura ao Verdade na Rede: Bolsonaro tenta acabar com site de combate de fake news

Em nota à imprensa, o OC apresentou uma série de mentiras repetidas pelo atual presidente do Brasil ao mundo. Entre elas, o fato do governo exaltar a Amazônia enquanto, na realidade, não fez nada para conter incêndios e a devastação do bioma, além de incentivar criminosos ambientais a invadir terras indígenas e massacrar essa população nos últimos quatro anos.

Além disso, o OC se deteve sobre os números da atual gestão em relação ao meio ambiente. Segundo a organização, desde a posse de Bolsonaro, as invasões às terras indígenas triplicaram, assim como o número de indígenas assassinados - que é o maior desde 2003. Da mesma forma, o desmatamento na Amazônia cresceu 75% em relação a última década.