Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro descumpre promessa em relação ao Auxílio Brasil

Imagem
Arquivo de Imagem
bolsonaro 8

O governo Jair Bolsonaro descumpriu ao menos duas promessas em relação ao Auxílio Brasil até o final do ano. A primeira diz respeito à ampliação do número de famílias. A segunda, a pagamentos retroativos.

Com a extinção do Bolsa Família, o presidente prometeu um benefício maior e para mais famílias. O objetivo foi endossado pelo ministro da Cidadania, João Roma. Ele chegou a afirmar que a fila seria zerada em dezembro.

No final de 2021, entretanto, a ampliação não ocorreu.

LEIA TAMBÉM:
- IGP-M sobe 0,87% em dezembro e fecha 2021 com inflação acumulada de 17,78%
- PNAD: Trabalho informal cresce mais que postos com carteira assinada

O governo pagou em dezembro o Auxílio Brasil a 14,4 milhões de famílias. O número de cadastradas, entretanto, é de mais de 17 milhões. Mais de 3 milhões de famílias, assim, ficaram sem receber o valor anunciado. O Planalto promete agora que o pagamento a um número maior de pessoas ocorrerá a partir de 2022.

Além da não ampliação do número de famílias atendidas em 2021, novembro foi um mês em que não houve pagamento. Bolsonaro chegou a afirmar que a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios viabilizaria um pagamento retroativo às famílias. O Ministério da Cidadania, agora, afirma que a ideia é impossível.

Uma das razões alegadas pela pasta é a de que a Medida Provisória que instituiu o Auxílio Brasil não prevê o pagamento retroativo. Em relação à ampliação do número de famílias, o Ministério afirma que a tramitação da PEC não permitiu a liberação de verbas.