Pular para o conteúdo principal

Boletim Focus: Mercado reduz mais uma vez projeção para o PIB em 2022

Imagem
Arquivo de Imagem
focus

A edição desta segunda-feira (10) do boletim Focus traz projeções para o crescimento da economia brasileira nada animadoras. Os analistas do mercado financeiro revisaram para baixo pela terceira vez seguida os prognósticos de crecimento para o PIB de 2022, de 0,36% para 0,28%.

Os economistas continuaram estimando crescimento de 4,5% em 2021. Para 2023 a projeção também caiu, em 0,1 ponto percentual, para 1,70%.

O levantamento divulgado pelo Banco Central (BC) estima ainda que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve registrar uma alta acumulada de 9,99% entre os meses de janeiro e dezembro do ano passado.

- Inflação fora da meta: Entenda por que presidente do BC enviará carta a Guedes

Mas é amanhã (11) que será conhecida qual foi a inflação oficial do País em 2021. O índice será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Embora a projeção do mercado financeiro divulgada hoje seja menor que os 10,01% do boletim anterior, ainda assim caso seja confirmada, a inflação de preços será quase o dobro da meta estabelecida pelo governo para o ano passado, de 3,75%.

O teto e o piso são 5,25% e 2,25%, respectivamente. Os marcos da meta inflacionária são definidos pelo próprio Governo Federal, tendo como objetivo garantir alguma previsibilidade para os agentes econômicos no País.

Para 2022, a expectativa de inflação foi mantida em 5,03%. Para 2023, a projeção passou de 3,41%% para 3,36%.

O boletim Focus é uma pesquisa divulgada toda segunda-feira pelo Banco Central, com estimativas de economistas para os principais indicadores econômicos.

Por outro lado, a expectativa para a Selic, taxa básica de juros da economia, subiu de 11,50% no final de 2022 para 11,75%; se manteve em 8% no fim de 2023.

Já o câmbio se manteve em R$ R$ 5,60 em 2022 mas subiu de R$ 5,40 para R$ 5,45 em 2023.

Mais de 100 instituições do mercado financeiro são consultadas pelo Banco Central para a formulação do Boletim Focus.