Pular para o conteúdo principal

Boletim Focus: Expectativa para inflação sobe a cada semana

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Pela nona semana consecutiva, os economistas do mercado financeiro apostam que a inflação ficará pior este ano. O Boletim Focus – divulgado nesta segunda-feira (8) pelo Banco Central – com os prognósticos para a economia brasileira aponta que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve chegar ao final de 2021 com alta 3,98% – variação superior aos 3,87% da pesquisa anterior.

Para 2022, a estimativa de inflação é de 3,50%; para 2023, a previsão é de 3,25%.

O cálculo para 2021 está acima do centro da meta da inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 3,75% para este ano. No entanto, esta margem pode ficar 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior, 5,25%.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

PIB

Na esteira do pessimismo, os economistas projetam nesta edição crescimento menor da economia em 2021: a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do País passou de 3,29% para 3,26%.

Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o resultado do PIB de 2020, que encerrou com queda de 4,1% – a maior em 24 anos. O movimento, que já esperado pelo mercado, acendeu o sinal de alerta para outros indicadores econômicos ao longo do ano, em especial por conta da crise sanitária e impactos pelo fim do auxílio emergencial.

Dólar

Com a economia patinando, os reflexos já surtem efeitos no mercado de câmbio: em relação ao dólar, os economistas ouvidos pelo Banco Central também revisaram a projeção para a moeda norte americana, que passou de R$ 5,10 para R$ 5,15 ao final deste ano.

Selic

Os economistas apostam agora que a Selic – a taxa básica de juros da economia – chegará ao final de 2021 em 4%, o mesmo patamar anterior.

Leia também:
PIB: Brasil está 10% mais pobre, diz economista Sérgio Mendonça