Pular para o conteúdo principal

Bancários reforçam luta em defesa das instituições públicas

Imagem
Arquivo de Imagem
Caixa

Em meio ao apetite do governo pela venda das estatais, o encontro nacional de empregados dos bancos públicos foi aberto na noite desta sexta-feira (6) com o propósito de defender não somente os direitos da categoria, mas o fortalecimento do papel do Estado e das políticas públicas do País.

Com a pauta 'Se é público, é para todos', representantes do Comando Nacional dos Bancários, da Contraf-CUT e das comissões de trabalhadores de cada um dos bancos - Banco da Amazônia (Basa), Banco do Brasil (BB), Banco do Nordeste (BNB), Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa Econômica Federal - puderam externar suas preocupações de forma abrangente, sem deixar de lado a importância de unir forças frente aos ataques do governo bolsonarista.

O fatiamento da Caixa, a venda de subsidiárias da Petrobras, a privatização da Eletrobras e o recém aprovado texto-base do projeto que permite desestatização dos Correios foram mencionados: vender empresas lucrativas para fazer caixa é algo que só interessa a quem está no poder.

Sergio Takemoto, presidente da Fenae, lembrou que a luta contra a privatização não é somente da Caixa ou Banco do Brasil, mas de todas as empresas públicas. "Ontem [5] falamos da privatização dos Correios; a mesma politica que está atuando lá, atua na Caixa. Os Correios têm as menores tarifas de entrega e mesmo assim o governo está aprovando essa privatização. Temos que estar atentos porque a privatização da Caixa, do Banco do Brasil e dos bancos regionais é uma realidade ", disse.

João Fukunaga, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil, mencionou que setores com interesses escusos menosprezam a importância do banco para o País. "Vivemos um momento importante na discussão das privatizações - de um lado o governo dizendo que não é essencial e por outro, tira agências. Ele faz um processo de desmonte para que a sociedade veja essas empresas não como necessárias. Por trás dessa narrativa, esconde o papel contra a soberania nacional", disse. Segundo ele, o banco vem passando por constantes processos de reestruturações que, na verdade, acabam com sua estrutura e sua capacidade de fomentar o desenvolvimento da economia.

Não há justiça social

Arthur Koblitz, presidente da Associação dos Funcionários do BNDES (AFBNDES), lembrou dos ataques ao banco de fomento, em especial na época do impeachment de Dilma Rousseff. Koblitz criticou a estratégia da direção atual do banco em vender a carteira de participações acionárias da instituição - BNDESPar.

"O BNDES vendeu ações da Vale por R$ 65 em novembro e em dezembro; hoje a previsão é de R$ 122. Imagine quem teve a sorte de comprar: dobrou e os bancos foram os que mais ganharam porque compraram grandes quantidades. O BNDES vendeu todas as ações e isso é só um exemplo do que estão fazendo lá, disse.

"A finalidade do Estado é promover a Justiça Social. Mas, não há justiça social sem desenvolvimento e não há desenvolvimento sem soberania", apontou.

Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e coordenadora do Comando Nacional, lembrou da importância de lutar para direitos, convenção coletiva, acordos de bancos públicos e privados.

"Foi muita luta e resistência da categoria, de gente que veio antes de nós. Estamos garantindo direitos para as futuras gerações”, disse Ivone Silva. "Temos atualmente um governo fascista, de retirada de direitos”, disse.

A abertura conjunta dos congressos contou também com a participação de representantes da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional, da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Bancos Públicos, das Centrais Sindicais, da Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag), do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) e da Central de Movimentos Populares (CMP).

Os congressos específicos por banco serão realizados no sábado (7) e domingo (8).
Confira a programação:

Sábado, 7 de agosto

– 37º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa
Em defesa da Caixa e de seus empregados. Por um Brasil melhor

– 27º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Nordeste
Banco do Nordeste do Brasil e FNE juntos construindo um nordeste melhor

– 13º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco da Amazônia
Desenvolvendo a Região Norte e o país

– Congresso Nacional dos Funcionários do BNDES
Defender o BNDES é apoiar o desenvolvimento do Brasil

Domingo, 8 de agosto

– 32º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil
Construindo juntos o futuro do Banco do Brasil