Reconta Aí Atualiza Aí Bancários da Caixa iniciam mobilização nacional contra venda da Seguridade e esvaziamento do Banco Público

Bancários da Caixa iniciam mobilização nacional contra venda da Seguridade e esvaziamento do Banco Público

Por: Fenae

Os bancários da Caixa iniciam em todo o País, nesta segunda-feira (19), uma ampla campanha contra a privatização da Caixa Seguridade e outras medidas de esvaziamento do Banco Público. A ação “Brasil Seguro é Caixa Pública” também reforçará a posição dos empregados contrária à pressão do governo para a devolução dos chamados “Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida (IHCDs)” — recursos que o banco aporta em seu capital para a concessão de crédito e investimentos em setores estratégicos ao desenvolvimento nacional, como infraestrutura, saneamento e habitação.

Faça parte do nosso canal Telegram.
Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

“Paralelamente à venda da Caixa Seguridade e de outras subsidiárias do banco que geram lucro ao Brasil, enfraquecendo a única empresa 100% pública do País, o governo toma medidas para diminuir ainda mais a sua capacidade de realizar políticas públicas impulsionadas pelos bancos estatais”, afirma o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto.

Leia também:
Campanha contra privatização da Caixa a partir da venda da Caixa Seguridade mostra o destino dos recursos – o mercado privado

Junto com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), a Fenae coordena a campanha “Brasil Seguro é Caixa Pública”, que prevê plenárias dos sindicatos dos bancários nos estados entre os dias 19 e 21 e, ainda, uma assembleia marcada para o dia 22. No dia 26, as entidades realizam uma live sobre a privatização e descapitalização da Caixa Econômica.

“O objetivo é mobilizar as entidades associativas e sindicais, os empregados, parlamentares e a sociedade, durante todo o mês de abril, sobre os graves prejuízos que as privatizações das subsidiárias da Caixa vão causar ao banco e à população, em benefício apenas do mercado”, destaca Takemoto.

IPO Caixa Seguridade

Marcado para começar no próximo dia 29, o IPO (Oferta Pública Inicial de ações, na siga em inglês) da Caixa Seguridade é um dos principais focos da campanha. A operação, avaliada em R$ 60 bilhões antes da crise econômica causada pela pandemia da covid-19, agora é estimada em R$ 36 bilhões. “Praticamente, a metade do valor”, ressalta o presidente da Fenae.

Leia também:
Rita Serrano: Balanço da Caixa mostra qual a estratégia do controlador e qual o futuro do Banco Público

Esta é a terceira vez que a direção do banco tenta vender a subsidiária. A última tentativa, no último mês de setembro, foi suspensa diante da instabilidade do mercado.

A exemplo da Caixa Seguridade, o governo vem usando subterfúgios para vender o banco público aos pedaços, de forma disfarçada. Ano passado, editou medida provisória (MP 995) que abriu caminho para a privatização da Caixa por meio da criação e venda de subsidiárias sem o aval do Congresso. A manobra, inclusive, é questionada no Supremo Tribunal Federal (STF) em Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs); uma delas, ajuizada pela Fenae e a Contraf contra a privatização fatiada também da Petrobras.

Pressão sobre Bancários

Além da desvalorização do preço das ações da Caixa Seguridade — que, apesar da crise econômica, registrou um faturamento de R$ 35,9 bilhões em 2020 e tem a terceira maior participação no mercado de seguros do país, sendo a líder em emissão de prêmios dos seguros residencial e prestamista — a Fenae alerta para outro agravante: a direção da empresa pressiona os empregados a comprarem ações da subsidiária e a intensificarem a venda para clientes do banco.

Leia também:
Fenae repudia “incentivo” ao empregado para participar de IPO da Caixa Seguridade

Do total da chamada “oferta de varejo” do IPO, cerca de 10% foi alocado para os trabalhadores da Caixa. Para estimular a compra das ações pelos empregados, o banco atua para adiantar salários e pretende até autorizar a conversão de ausências permitidas e de licença prêmio (Apips), desde que vinculadas ao IPO.

Além da Caixa Seguridade, o governo trabalha para a venda de outras áreas estratégicas do Banco Público, como Cartões, Gestão de Recursos e Loterias. O ainda nem formalizado Banco Digital também está na lista de privatizações. Trata-se, na verdade, de uma outra instituição financeira para onde serão transferidas as principais operações da Caixa, desidratando o banco público, segundo alerta o presidente da Fenae.

“Pedro Guimarães [presidente da Caixa Econômica Federal] chama esta instituição de Banco Digital. Este será, na verdade, o ‘golpe de morte’ da Caixa, pois não representa ‘modernização do banco’ e ainda vai retirar da estatal as principais operações sociais, como Bolsa Família, microcrédito e financiamento habitacional”, explica Sergio Takemoto. A criação formal do Banco Digital aguarda autorização do Banco Central.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial