Reconta Aí Atualiza Aí Auxílio emergencial de três parcelas de R$ 200 proposto pelo governo é inaceitável, diz CUT

Auxílio emergencial de três parcelas de R$ 200 proposto pelo governo é inaceitável, diz CUT

Para Valeir Ertle, valor ínfimo mostra que governo Bolsonaro não se preocupa com os pobres. Economista Marcio Pochmann acredita que governo se deu conta que sem auxílio a economia não anda

Por: CUT

O governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) acenou com a possibilidade de pagar três parcelas de um novo benefício por causa da pandemia do novo coronavírus, que agravou ainda mais a crise econômica no país.

Siga a página do Reconta Aí no Instagram.
Siga a página do Reconta Aí no Facebook.
Adicione o WhatsApp do Reconta Aí para receber nossas informações.
Siga a página do Reconta Aí no Linkedin

A ideia do governo é pagar apenas R$ 200,00 para metade da população que recebeu o auxílio emergencial de R$ 600,00 (R$ 1.200,00 para mães solo), aprovado pelo Congresso Nacional, após pressão da CUT, demais centrais e parlamentares de oposição, em março do ano passado, e que terminou em dezembro de 2020. Na época, o governo também propôs pagar apenas R$ 200, mas foi voto vencido. Ao todo foram beneficiadas 64 milhões de pessoas com R$ 50 bilhões ao mês. A nova proposta do governo prevê o pagamento das três parcelas a 32 milhões de pessoas a um custo de R$ 6 bilhões mensais.

Além do valor ínfimo, o ministro da economia, o banqueiro Paulo Guedes, ainda quer impor condições extremamente nocivas aos trabalhadores e servidores públicos. Guedes condiciona o pagamento do novo auxílio, que se chamaria Bônus de Inclusão Produtiva (BIP), à aprovação, por parte do Congresso Nacional, da reforma Administrativa, que pode reduzir salários e jornadas de servidores públicos, e promover uma série de prejuízos à população em geral.

A proposta de reforma Administrativa em troca do novo auxílio é criticada pelo economista e presidente do Instituto Lula, Marcio Pochmann, por duas razões. Primeiro que o setor público foi o único que abriu mais vagas de emprego do que demissões, especialmente nos municípios. Foram mais de 100 mil novas contratações de servidores, enquanto 14 milhões de trabalhadores, a maioria da iniciativa privada, amargam o desemprego. O segundo é que cortes orçamentários prejudicam ainda mais a retomada da economia.

Leia também:
Governo quer auxílio emergencial menor com cortes em outras áreas

Apesar da proposta de reforma Administrativa em troca do auxílio, Pochmann vê na decisão do governo um passo atrás no discurso de que a economia estava se recuperando, com mais empregos, e que os benefícios sociais não seriam mais necessários.

“A proposta é um indicativo de que o governo reconhece que isto não está acontecendo, tanto que acenou com a antecipação do pagamento do 13º a aposentados e pensionistas do INSS [Instituto Nacional do Seguro Social] , e do PIS/PASEP aos trabalhadores”, diz.

O secretário de Assuntos Jurídicos da CUT, Valeir Ertle, diz que a proposta é inaceitável tanto pelo valor como as condições para que a população receba o novo auxílio. Ele acredita que o Congresso Nacional vai melhorar a proposta inicial do governo, por que não dá pra aceitar este valor absurdo.

“Este governo não está preocupado com os pobres que passam necessidades. Espero que o Congresso tenha bom senso e rejeite esta proposta absurda e inaceitável”, afirma.

A esperança de que o Congresso atue para melhorar o valor a ser pago é compartilhada pelo presidente do Instituto Lula. Ele ressalta que a proposta inicial de R$ 200,00, a mesma que o governo fez no início da pandemia, deverá ser recusada pelos parlamentares.

“São recursos para gente extremamente pobre, e milhões de brasileiros  podem ir para a mesma situação de pobreza e extrema pobreza. Se pegarmos o rendimento médio do autônomo de cerca de mil reais, o valor oferecido não paga nem metade de uma cesta básica”, diz. O último levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostra que o preço de uma cesta básica, em São Paulo, chegou em dezembro do ano passado a  R$ 631,46. 

Apesar de acreditar que o Congresso vá melhorar a proposta de Guedes, o presidente do Instituto Lula  critica a forma como o governo vai ao Congresso Nacional negociar uma ajuda a milhões de brasileiros pobres, como se fosse a um mercado.

 “O governo quer a aprovação da reforma Administrativa em troca do novo benefício, se esquecendo da sequência lógica de que ajuste fiscal não se enfrenta com crescimento de cortes e custos. Sem renda haverá menos consumo, menos produção, menos tributação e menos arrecadação para o governo. É um círculo vicioso”, diz.

As condições do governo para pagar os R$ 200,00

Além da reforma Administrativa, Guedes propõe condicionar o pagamento à adesão da Carteira Verde e Amarela, que caducou em abril do ano passado, ao ser retirada da pauta de votação pelo então presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), após pressão da CUT, demais centrais e partidos progressistas.  

A obrigatoriedade desses trabalhadores também serem incluídos na Carteira Verde e Amarela, criada para jovens até 24 anos, pode deixar de fora os trabalhadores informais mais velhos, ressalta Pochmann.

O pagamento do BIP também deixa de fora quem recebe o Bolsa Família ( em torno de R$ 190,00) , já que o programa seria voltado aos trabalhadores informais.

Outra proposta contida no pagamento do novo auxílio é a que obriga quem receber o valor a fazer cursos de reciclagem profissional. A forma e que tipos de cursos seriam não foram detalhados pelo governo federal, apenas que poderia ser utilizado o Sistema S (Senai, Sebrae, Sesc, etc).

Valeir Ertle, diz que a proposta é inaceitável tanto pelo valor como as condições para que a população receba o novo auxílio.

“Como alguém que receba R$ 200,00 vai fazer algum curso on-line pagando caro pela internet?”, questiona, e acrescenta: “ E se o curso for presencial, o dinheiro também não vai dar para pagar o transporte público. Além do quê, sem vacina vai expor a população mais pobre ao risco de contágio da Covid”, diz o secretário de Assuntos Jurídicos da CUT.

A introdução de critérios de capacitação além de não estarem claros impõe novos desafios, acredita Pochmann.

“Os programas que tínhamos organizados pelo ministério da Educação foram descontinuados e já nem existe mais o ministério do Trabalho, que também poderia atuar na capacitação”, lembra o economista.

Pochmann destaca ainda os novos critérios de cortes de pagamento para receber o BIP. Para ele, o descontrole e fraudes no pagamento do auxílio emergencial, que beneficiou militares, servidores e quem tinha maior rendimento, mostram que o governo Bolsonaro operou muito mal e foi incapaz de fazer um programa social adequado.

“ Nem mesmo órgãos que deveriam fiscalizar como o Tribunal de Contas da União [TCU] e o Ministério Público [MP] fizeram um levantamento de quanto dinheiro foi dado a quem não precisaria”.

Aumentam pobreza e extrema pobreza

O corretor imobiliário Emílio Moreira se deparou três vezes com uma cena que o chocou. Ao sair de estações do metrô que servem o centro da cidade de São Paulo, jogou dentro de lixeiras máscaras descartáveis que utilizou para evitar o contágio da Covid-19, dentro do transporte público. Em seguida, moradores de rua as recolheram e imediatamente as colocaram em seus rostos.

Esta situação é um pequeno recorte da miséria e tragédia social que o Brasil vive, e que já começa a piorar sem o auxílio emergencial. Somente neste mês de janeiro, 2 milhões de brasileiros foram para a linha da pobreza, que é a de renda per capita de R$ 250,00 por mês. Ao todo, 13% da população do país, ou 26 milhões de pessoasestão na linha da pobreza. Os cálculos foram feitos pelo coordenador da Cátedra Ruth Cardoso no Insper, Naercio Menezes Filho, a pedido do G1. 

Já a extrema pobreza, quando a renda é de até US$ 1,90 por dia, pode dobrar em relação a 2019, passando dos atuais 6,5% da população (13,7 milhões de pessoas) para 10% chegando até 15%. O cálculo, publicado na Carta Capital, é do economista Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial