Pular para o conteúdo principal

Auxílio emergencial: 4,25 milhões de domicílios sobreviveram apenas com a renda de R$ 600 em agosto

Imagem
Arquivo de Imagem
Imagem do site Recontaai.com.br

Foto: Guilherme Gandolfi/Fotos Públicas

O auxílio emergencial compensou parte das perdas dos rendimentos dos brasileiros devido à pandemia do coronavírus. Um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta terça-feira (29) revela que cerca de 4,25 milhões de domicílios brasileiros sobreviveram, em agosto, apenas com a renda do auxílio emergencial de R$ 600.

A ajuda financeira também foi suficiente para superar em 41% a perda da massa salarial entre as pessoas que permaneceram ocupadas. Entre os domicílios mais pobres, os rendimentos atingiram 132% do que seriam com as rendas habituais em agosto, revela o estudo que utilibou dados do IBGE.

“O papel do auxílio emergencial na compensação da renda perdida em virtude da pandemia foi proporcionalmente maior do que no mês anterior”, destaca Sandro Sacchet, autor da pesquisa.

O estudo também aponta que os trabalhadores por conta própria continuam tendo um dos menores índices de renda. Como exemplo, a pesquisa destaca que os trabalhadores de tratamento de beleza e serviços pessoais receberam em agosto apenas 68,6% da renda habitual, conseguindo uma renda média de R$ 1.072. O resultado, porém, é melhor que o de julho, quando receberam 60% da renda habitual.

Há também outros grupos que sofreram muito com a pandemia, como os trabalhadores de atividades artísticas, esportivas e recreação. Por outro lado, os trabalhadores menos afetados pela pandemia encontram-se na administração pública, na indústria extrativa, nos serviços de utilidade pública, na educação, em serviços financeiros e armazenamento, nos correios e nos serviços de entrega.

Com informações do IPEA