Pular para o conteúdo principal

Aumento no preço da refeição do restaurante da Universidade Federal de Viçosa gera protestos

Imagem
Arquivo de Imagem
restaurante universitário

Foi-se o tempo em que nas universidades federais brasileiras estudavam predominantemente pessoas de classe média. Atualmente, com a expansão do ensino superior durante os governos Lula e Dilma, e a criação de cotas sociais e raciais, o ensino superior no Brasil tornou-se um pouco mais democrático, atendendo também a estudantes pobres.

Por isso, as políticas de permanência nas universidades públicas nunca foram tão importantes quanto agora. Porém, a verba destinada para as moradias estudantis, restaurantes universitários, bolsas de pesquisa e extensão, creches entre outras atividades, têm ficado cada vez menores. E, por consequência, as políticas de assistência estudantil estão sendo sucateadas, o que tem ocasionado situações como a que os alunos da Universidade Federal de Viçosa (UFV) estão vivendo.

LEIA TAMBÉM:
- Tereza Campello: Mal feito e sem estudo, Auxílio Brasil deixa de fora 29 milhões de famílias
- Reajustes salariais do mês de outubro apresentaram o pior resultado para os trabalhadores em 2021

A UFV avisou aos estudantes na segunda-feira (22) que aumentaria o valor da refeição no restaurante universitário (RU). Atualmente, os estudantes pagam R$ 1,90 por refeição e o preço pode chegar a até R$ 9,90 - um aumento de mais de 421%.

Contra o aumento, os esudantes vêm organizando protestos na cidade de Viçosa e também nas redes sociais, que culminaram com um grande apoio de todo o País.

Imagem: reprodução

O outro lado

Perguntada sobre o aumento, a UFV informou que o que foi apresentado até o momento é apenas uma proposta, que ainda será submetida à análise e aprovação do Conselho Universitário. Assim, ainda não há definições sobre valores. No mesmo sentido, a universidade explicou que os restaurantes universitários oferecem café da manhã, almoço e jantar todos os dias da semana. E que a política de preços dos RUs não é revista desde 2006.

A UFV afirmou que está dialogando com os estudantes desde março, e que as representações estudantis participam da comissão que vem estudando caminhos para a construção da nova política visando especialmente aos estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Ainda segundo a nota enviada, o reitor Demetrius David da Silva recebeu os estudantes na reitoria e propôs a eles que apresentassem propostas alternativas, "que serão bem-vindas", concluiu a assessoria da UFV.