Reconta Aí Atualiza Aí “Saída tem que ser via setor público”, diz Nelson Marconi sobre a crise

“Saída tem que ser via setor público”, diz Nelson Marconi sobre a crise

A retomada da economia brasileira dependerá – e muito – do investimento público. Segundo o economista e professor da FGV, Nelson Marconi, é dificil imaginar que num cenário como este, o setor privado conseguirá tirar o País da crise.

“A saída teria que ser via setor público numa crise desse tamanho. O governo teria que retomar o investimento. O primeiro investimento que ele deveria fazer seria em saneamento básico porque tem vários impactos econômicos e social, por exemplo”.

Marconi participou nesta semana de mais uma edição do Roda Reconta. Aos jornalistas, disse que o País passará – provavelmente – por um longo período de recessão.

“Chegamos no pico [da pandemia] mas a gente não sabe o efeito que vai ter essa reabertura do comércio, essa volta. Se em algum momento conseguir melhorar, a economia vai estar combalida com desemprego alto e as empresas sem recursos. E como o setor privado vai sair dessa crise? Por que o empresário privado vai resolver investir neste cenário se não tem demanda, se não tem emprego, se não tem nada?”, questiona.

“O momento da retomada vai depender muito do avanço da pandemia. Como estamos [o governo] enfrentando muito mal, provavelmente teremos um período longo de recessão”

Veja alguns trechos da entrevista:

Reconta Aí – Você acha que as medidas do governo para enfrentamento da crise são eficientes?

Nelson Marconi – Realmente são insuficientes. Estamos numa discussão de salvar a economia e numa situação dessa, o governo precisa entrar com um arsenal de medidas muito intenso para permitir que as pessoas fiquem em casa e as empresas possam passar por esse período sem desligar as pessoas.

Estamos vendo boa parte da população indo para a rua para poder vender o almoço para pagar o jantar porque não tem um programa de renda minima como deveria ser. As empresas não estão com recursos e, muitas vezes, estão mandando os funcionários embora.

Para evitar esse cenário e essa necessidade de ir para rua, teria que ter um programa mais amplo tanto em termos da renda minima, quanto de ajuda às empresas. E isso digo em relação a estados e municípios, que estão precisando de serviços e que não recebem recursos do governo e também estão sendo prejudicados. Não conseguem prestar todo o serviço que precisariam estar prestando.

Assista na íntegra o Roda Reconta com Nelson Marconi.

Acompanhe outras entrevistas do Roda Reconta:
“Só há duas maneiras de resolver uma crise: emprego e crédito”, diz Maria Fernanda Coelho
Roda Reconta: “Crise impediu a privatização da Caixa”, diz Jorge Mattoso
Guilherme Boulos: “Taxar as grandes fortunas é a solução para a crise”